Primeiro livro de Enoque - Capitulo 14

Enoque escreve o livro da reprovação das Sentinelas

1

Este é o livro das palavras de retidão, e de reprovação das Sentinelas, os quais pertencem ao mundo*, de acordo com o que Ele, que é santo e grande, ordenou na visão.

* Os quais pertencem ao mundo. Ou, "os quais são da eternidade".

2

Eu percebi em meu sonho que eu estava então falando com a língua da carne, e com meu fôlego, que o Poderoso colocou na boca dos homens, para que eles pudessem conversar com Ele.

3

Eu entendi com o coração. Assim como Ele havia criado e dado aos homens o poder de compreender a palavra de entendimento, assim criou, e deu a mim o poder de reprovar os Sentinelas, a geração dos céus.

4

E escrevi sua petição; e na minha visão foi-me mostrado que seu pedido não lhes será atendido enquanto o mundo perdurar.

5

Julgamento passou sobre vós: vosso pedido não vos será atendido.

6

De agora em diante, nunca ascendereis ao céu; Ele o disse que na terra Ele vos amarrará, tanto tempo enquanto o mundo existir.

7

Mas antes destas coisas tu verás a destruição dos vossos bem-amados filhos; não os possuireis, mas eles cairão diante de vós pela espada.

8

Nem pedireis por eles, nem por vós mesmos;

9

Mas chorareis e suplicareis em silêncio. As palavras do livro que eu escrevi*.

* Mas chorareis... Eu escrevi. Ou, "Assim também, a despeito de vossas lágrimas e orações, não recebereis nada, de tudo o que está contido nos registros que eu tenho escrito".

10

A visão de Enoque com a glória do Altíssimo

Uma visão então me apareceu.

11

Eis que naquela visão, nuvens e névoa convidaram-me; estrelas agitadas e brilho de relâmpagos impeliram-me e pressionaram-me adiante, enquanto ventos na visão assistiram meu voo, acelerando meu progresso.

12

Eles elevaram-me no alto ao céu.

13

Eu prossegui, até que cheguei próximo dum muro construído com pedras de cristal.

14

Uma chama de fogo vibrante* rodeou-o, a qual começou a golpear-me com terror.

* Chama de fogo vibrante. Literalmente, "uma língua de fogo”.

15

Nesta chama de fogo vibrante eu entrei;

16

E aproximei-me de uma espaçosa habitação, também construída com pedras de cristal.

17

Seus muros também, bem como o pavimento, eram formados com pedras de cristal, e de cristal também era o piso.

18

Seu telhado tinha a aparência de estrelas agitadas e brilhos de relâmpagos; e entre eles haviam querubins de fogo num céu tempestuoso*.

Num céu tempestuoso. Literalmente, "e seu céu era água".

19

Uma chama queimava ao redor dos muros; e seu portal queimava como fogo.

20

Quando eu entrei nesta habitação, ela era quente como fogo e frio como o gelo.

21

Nenhum traço de encanto ou de vida havia lá.

22

O terror sobrepujou-me, e um tremor de medo apoderou-se de mim.

23

Violentamente agitado e tremendo, eu caí sobre minha face. Na visão eu olhei.

24

E vi que lá havia outra habitação mais espaçosa que a primeira, cada entrada da qual estava aberta diante de mim, elevada no meio da chama vibrante.

25

Tão grandemente superou em todos os pontos, em glória, em magnificência, em magnitude, que é impossível descrever-vos o esplendor ou a extensão dela.

26

Seus pisos eram de fogo, acima havia relâmpagos e estrelas agitadas enquanto o telhado exibia um fogo ardente.

27

Eu examinei-a atentamente e vi que ela continha um trono exaltado;

28

A aparência do qual era semelhante à da geada, enquanto que sua circunferência assemelhava-se à órbita do sol brilhante; e havia a voz de um querubim.

29

Debaixo desse poderoso trono saíam rios de fogo flamejante.

30

Olhar para Ele foi impossível.

31

Alguém grande em glória assentava-se sobre Ele,

32

Cujo manto era mais brilhante que o sol, e mais branco que a neve.

33

Nenhum anjo era capaz de penetrar para olhar a Sua face, o Glorioso e Fulgente; nem podia algum mortal vê-Lo. Um fogo flamejante rodeava-O.

34

Também um fogo de grande extensão continuava a elevar-se diante d’Ele;

35

De modo que nenhum daqueles que estavam ao redor d’Ele eram capazes de aproximar-se, entre as miríades de miríades* que estavam diante d’Ele. Para Ele santa consulta era desnecessária.

* Miríades de miríades. Dez mil vezes dez mil.

36

Contudo, o Santificado, que estava próximo d’Ele, não apartou-se d’Ele nem de noite nem de dia; nem eram eles tirados de diante d’Ele.

37

Eu também estava tão adiantado, com um véu sobre minha face, e trêmulo.

38

Então o Senhor com sua própria boca chamou-me, dizendo: Aproxima-se aqui acima, Enoque, à minha santa palavra.

39

E Ele ergueu-me, fazendo aproximar-me, mesmo até à entrada. Meus olhos estavam dirigidos para o chão.