Primeiro livro de Enoque - Capitulo 60

Tremores no céus – Os monstros Beemote e Leviatã – Os elementos da natureza

1

No quinquagésimo ano, no sétimo mês, no décimo quarto dia da vida de Enoque, naquela parábola eu vi o céu dos céus tremer, que ele tremeu violentamente e que os poderes do Altíssimo e dos anjos, milhares de milhares, e miríades de miríades*, ficaram agitados com grande agitação.

* Miríades de miríades. Dez mil vezes dez mil.

2

E quando eu olhei o Ancião de dias estava assentado no trono de sua glória enquanto os anjos e santos estavam em pé ao redor dele.

3

Um grande tremor veio sobre mim.

4

Meus lombos foram curvados e soltos, meus rins foram dissolvidos; e eu caí sobre minha face.

5

O santo Miguel, outro santo anjo, um dos santos, foi enviado, o qual levantou-me.

6

E quando ele levantou-me, meu espírito retornou, pois eu fui incapaz de suportar essa visão de violência, sua agitação e o choque do céu.

7

Então o santo Miguel disse-me: Por que estás perturbado com essa visão?

8

Desde então tem existido o dia da misericórdia; Ele tem sido misericordioso e longânimo com todos os que habitam sobre a terra.

9

Mas quando o tempo vier, então o poder, a punição, e o julgamento tomarão lugar, o qual o Senhor Deus preparou para aqueles que se prostrarem para o julgamento da retidão, para aqueles que renunciarem àquele julgamento, e para aqueles que tomam seu nome em vão.

10

Aquele dia foi preparado para os eleitos como um dia de convênio e para os pecadores como um dia de inquisição.

11

Naquele dia dois monstros serão distribuídos como alimento, um monstro fêmea, cujo nome é Leviatã*, habitando nas profundezas do mar, acima das fontes de águas;

* Monstro que se representa sob a forma de crocodilo, segundo a mitologia fenícia". Formas como a de dragão marinho, serpente e polvo.

12

E um monstro macho, cujo nome é Beemote*, o qual possui, movendo-se em seu ventre, no deserto invisível.

* No livro de Jó, 40:15-24 sua descrição é tradicionalmente associada à de um monstro gigante e herbívoro, podendo ser retratado como um leão monstruoso, apesar de alguns criacionistas o identificarem como um saurópode ou um touro gigante de três chifres. Em uma outra análise vemos este como um animal pré-histórico muito conhecido como braquiossauro. Esta criatura tem um corpo couraçado e é típica dos desertos (embora "Behemot" também seja como os hebreus chamavam os hipopótamos).

13

Cujo nome era Duidain*.

* A localização deste deserto é descrito para o leste do Jardim da Justiça, onde Enoque foi arrebatado para os céus.

14

A leste do jardim, onde os eleitos e os justos habitarão, onde ele recebeu-o de meu ancestral, desde Adão o primeiro dos homens, cujo homem o Senhor Deus fez.

15

Então eu pedi a outro anjo que me mostrasse o poder daqueles monstros, como eles se separaram naquele mesmo dia, um estando nas profundezas do mar, e o outro no seco deserto.

16

E ele disse: Tu, filho do homem, estás aqui desejoso de entendimento das coisas secretas.

17

E o anjo da paz, o qual estava comigo disse: Estes dois monstros estão preparados pelo poder de Deus para tornarem-se alimento, para que a punição de Deus não seja em vão.

18

Então crianças serão mortas com suas mães, e os filhos com seus pais.

19

E quando a punição do Senhor Deus continuar, sobre eles ela continuará, para que a punição do Senhor Deus não aconteça em vão.

20

Depois do quê, o julgamento existirá com misericórdia e longanimidade.

21

Então outro anjo, o qual estava comigo, me falou,

22

E mostrou-me o primeiro e o último dos segredos em cima no céu, e nas profundezas da terra:

23

Nas extremidades do céu e nas fundações dela, e nas câmaras dos céus.

24

Ele mostrou-me como seus espíritos foram divididos; como eles foram balançados e como ambas as fontes e os ventos foram contados de acordo com a força de seu espírito.

25

Ele me mostrou o poder da luz da lua, que seu poder é justo; bem como as divisões das estrelas, de acordo com seus respectivos nomes;

26

Que cada divisão é separada; que os relâmpagos iluminam;

27

Que suas tropas imediatamente obedecem e que uma cessação toma lugar durante o trovão em continuação de seu som.

28

Não são separados o trovão e o raio; nem eles se movem com um espírito, já que eles não são separados.

29

Pois quando os raios iluminam, o trovão soa e o espírito a um próprio período faz pausa, fazendo uma divisão igual entre eles, pois as câmaras sobre o qual seus períodos dependem é solto como a areia.

30

Cada um deles à sua própria estação é restringido com uma rédea e virado pelo poder do espírito, que assim impele-os de acordo com a espaçosa extensão da terra.

31

O espírito do mar é igualmente potente e forte, e um poder tão forte o faz vazar; assim ele é dirigido adiante e espalha-se contra as montanhas da terra.

32

O espírito da geada tem seu anjo; no espírito do granizo ele é um bom anjo; o espírito da neve cessa em sua força e um espírito solitário está nele, o qual ascende dele como vapor, e é chamado refrigeração.

33

O espírito da névoa também habita com eles em sua câmara, mas ele tem uma câmara para si mesmo, pois seu progresso está no esplendor, 34 Na luz e na escuridão, no inverno e no verão.

35

Sua câmara é brilho, e um anjo esta nele.

36

O espírito do orvalho tem seu domicílio nas extremidades do céu, em conexão com a câmara da chuva e seu progresso está no inverno e no verão.

37

A nuvem produzida por ele e a nuvem do meio se tornam unidos, um dá ao outro; e quando o espírito da chuva está em movimento de sua câmara, anjos vêm e, abrindo sua câmara, a traz adiante.

38

Quando igualmente ele é borrifado sobre toda a terra ele forma uma união com todo tipo de água no chão; pois as águas ficam na terra, porque eles fornecem nutrição para a terra desde o Altíssimo, o qual está no céu.

39

Sobre este informe, portanto há uma regulamentação na qualidade da chuva que os anjos recebem.

40

Estas coisas eu vi, todas elas, até o paraíso.