Primeiro livro de Enoque - Capitulo 76

As rosas do vento

1

E nas extremidades da terra eu vi doze portões abertos para todos os ventos, dos quais eles saem e sopram sobre a terra.

2

Os três primeiros são aqueles que estão virados para o leste, três estão virados para o norte, três atrás daqueles que estão sobre a esquerda, vidados para o sul, e três para o oeste.

3

De quatro deles saem ventos de bênção, e de cura; e de oito vêm ventos de punição ou castigo; quando eles são enviados para destruir a terra, e o céu acima dela, todos os seus habitantes, e tudo o que está nas águas, ou na terra seca.

4

O primeiro vento desses portões chama-se vento leste e procede do primeiro portão oriental que se inclina para o Sul; dele provêm a devastação, a seca, o calor e a destruição.

5

Do segundo portão do meio procede um vento favorável; ele traz a chuva e a fertilidade, o bem-estar e o orvalho.

6

Do terceiro portão norte procedem o frio e a seca.

7

Depois destes procedem os ventos do sul através de três principais portões; através do seu primeiro portão, que inclina-se para o leste, vem um vento quente.

8

Mas do portão do meio vem um agradável perfume, orvalho, chuva, saúde e vida.

9

Do terceiro portão, que está ao oeste, vem orvalho, chuva, ruína e destruição.

10

Depois vêm os ventos do Norte; do sétimo portão, voltada para o Leste, chegam o orvalho, a chuva, os gafanhotos e a destruição.

11

Do portão situado exatamente no meio procedem à chuva, o orvalho, a saúde e o bem-estar.

12

Pelo terceiro portão, voltado para o Oeste, vêm a neblina, a geada, a neve, o orvalho e os gafanhotos.

13

Depois destes, no quarto portão estão os ventos do oeste.

14

Do primeiro portão, inclinando-se ao norte, vem orvalho, chuva, geada, neve e frio; do portão do meio vem chuva, saúde e bênção;

15

E do último portão, que está ao sul, vem seca, destruição, queima e perdição.

16

Estas são as doze portas dos quatro quadrantes celestes; mostrei-te, meu filho Matusalém, todas as suas leis, pragas e benefícios.