Primeiro livro de Enoque - Capítulo 9

1

Então Miguel e Gabriel, Rafael, Suriel, e Uriel, olharam abaixo desde os céus, e viram a quantidade de sangue que era derramada na terra, e toda a iniquidade que era praticada sobre ela, e disseram um ao outro; Esta é a voz de seus clamores;

2

A terra desprovida de seus filhos tem clamado, mesmo até os portões do céu.

3

E agora a ti, ó Santo dos céus, as almas dos homens queixam-se, dizendo: obtêm justiça para conosco com o Altíssimo*.

* Obtêm justiça para conosco. Literalmente, "Traz julgamento para nós do céu".

4

Então eles disseram ao seu Senhor, o Rei:

5

Tu és Senhor dos senhores, Deus dos deuses, Rei dos reis.

6

O trono de Tua glória é para sempre e sempre, e para sempre seja Teu nome santificado e glorificado.

7

Tu fizeste todas as coisas; Tu possuis poder sobre todas as coisas; e todas as coisas estão abertas e manifestas diante de Ti.

8

Tu vês todas as coisas e nada pode esconder-se de Ti.

9

Tu viste o que Azaziel tem feito, como ele tem ensinado toda espécie de iniquidade sobre a terra, e tem aberto ao mundo todas as coisas secretas que são feitas nos céus.

10

Samyaza também tem ensinado sortilégios, para quem Tu deste autoridade sobre aqueles que estão agregados Contigo.

11

Eles tem ido juntos às filhas dos homens, têm-se deitado com elas; têm-se contaminado;

12

E têm descoberto crimes a elas*.

Descoberto crimes. Ou, "revelado estes sinais".

13

As mulheres igualmente têm gerado gigantes.

14

Assim toda a terra tem se enchido de sangue e iniquidade.

15

E agora, vês que as almas daqueles que estão mortos clamam.

16

E queixam-se até ao portão do céu.

17

Seus gemidos sobem; nem podem eles escapar da injustiça que é cometida na terra. Tu conheces todas as coisas, antes de elas existirem.

18

Tu conheces estas coisas, e o que tem sido feito por eles; já Tu não falas a nós.

19

O que, por conta destas coisas, devemos fazer contra eles?