Segundo livro de Enoque - Capitulo 22

O trono de Deus

1

No décimo céu, Aravoth, vi como era a face do Senhor, como o ferro que arde no fogo e que, ao sair, emite faíscas e queima.

2

Assim vi a face do Senhor, mas a face do Senhor é inefável, maravilhosa e muito sublime e muito terrível.

3

E quem sou eu para falar sobre o inexprimível ser do Senhor e sua magnificente face?

4

E não posso contar a quantidade de suas muitas instruções e várias vozes, o trono do Senhor muito grande, que não foi feito por mãos, nem a quantidade daqueles que o rodeiam hostes de querubins e serafins nem seus cantos incessantes nem sua imutável beleza, e quem pode falar da grandiosidade de sua glória?

5

E devo inclinar-me e reverenciar o Senhor, e o Senhor com seus lábios, disse-me:

6

"Tem coragem, Enoque não temas, levanta-te diante de minha face na eternidade".

7

O arcanjo Miguel levantou-se e conduziu-me diante da face do Senhor.

8

E o Senhor disse aos seus servos pondo-os à prova: "Deixa que Enoque se ponha diante de minha face na eternidade", e oi gloriosos curvaram-se ante o Senhor e disseram: "Que Enoque vai segundo tua palavra".

9

E o Senhor disse a Miguel: "Vai e despoja Enoque de suas vestes terrestres e ungem com meu doce bálsamo, e veste o com os vestidos de minha glória".

* gloriosos: um dos sete anjos mais altos.

10

E Miguel assim o fez, tal qual o Senhor lhe ordenara. Ele me ungiu, vestiu-me, e o aspecto daquele bálsamo é mais que a grande luz, é como o doce orvalho e seu perfume, suave brilhante como um raio de sol e olhei para mim mesmo, e eu estava como um de seus gloriosos*.

11

E o Senhor convocou um de seus arcanjos chamado Pravuil, mais forte em sabedoria do que qualquer outro arcanjo, que escrevera todas a obras, do Senhor, e o Senhor disse a Pravuil:

12

“Traz aqueles livros de meus depósitos e uma pena de escrita rápida, e dá-os a Enoque e incumbe-o da escolha dos livros”.