Livro de Melquisedeque - Capitulo 26

1

O universo vivia um momento realmente solene.

2

Naquela manhã festiva, o Eterno haveria de revelar a grandeza de Seu caráter, que é justiça e amor.

3

As acusações de que Seu governo era de egoísmo e tirania seriam refutadas.

4

Aos olhos de todas as criaturas racionais do vasto Universo, Deus conduziu o jovem casal ao monte Sião, lugar do divino trono.

5

Ali, ante o estremecimento das hostes emudecidas, o Criador, num gesto surpreendente, cobriu o homem com o manto real, colocando sobre sua cabeça a coroa que fora cobiçada por Lúcifer.

6

Movidos por profunda gratidão pela suprema honra conferida, Adão e Eva prostraram-se reverentes, depondo aos pés do Criador sua coroa preciosa, em sinal de submissão.

7

Seguiu-se a esse gesto humano um brado de vitória que sacudiu toda a Criação.

8

Os filhos da luz, que por tanto tempo haviam sofrido afrontas e humilhações ante as constantes acusações das hostes rebeldes, exaltaram em retumbante louvor o Deus bendito, que em Sua obra de justiça desmentira os inimigos, revelando Seu caráter de humildade, desprendimento e amor.

9

Tendo constituído o homem como o senhor de toda a criação, o Eterno, com voz solene, passou a conscientizá-lo da grandiosidade de sua missão.

10

Como um guardião, deveria cuidar do paraíso, mantendo límpida a fonte do rio da vida.

11

As leis da justiça e do amor, fundamentos do reino da luz, deveriam ser honradas.

12

Como um cetro racional, caberia ao homem, em gesto de reconhecimento e gratidão, aceitar livremente o governo d'Aquele que o criou.

13

As hostes, que maravilhadas testemunhavam a revelação do desprendimento divino, compreenderam que o Senhor da Luz não governaria mais o Universo, a não ser com o consentimento humano.

14

O homem, pela vontade do Eterno, fora feito o árbitro da criação; em seu glorioso ser, feito à imagem do Criador, resplandecia o selo do eterno domínio.