Livro de Melquisedeque - Capitulo 38

Adão e Eva entram em grande tristeza

1

Após desfrutar o pecado, o jovem casal sentiu-se mal.

2

Inicialmente sentiram um grande vazio no coração, que logo foi preenchido pelo remorso e pela tristeza.

3

Perceberam que, inspirados pela cobiça, haviam selado sua triste sorte e a de toda a criação.

4

Parecia-lhes ouvir ao longe o gemido de um Universo vencido.

5

O sol, que os enchera de vida e calor naquele dia, ocultava-se no horizonte, anunciando-lhes uma negra noite.

6

O arrebol, que até ali anunciara-lhes o feliz encontro com o Criador, parecia envolve-los numa sentença de que jamais despertariam para um novo dia.

7

Não ousavam sequer olhar para cima, temendo ver cair sobre eles o raio do juízo que os reduziria a pó.

8

Com o olhar voltado para o frio solo vinha-lhes à lembrança a sentença:

9

“No dia em que dela comerdes, certamente morrereis”.

10

Desesperadas lágrimas rolavam em seus rostos ao aguardarem o trágico fim.

11

Ao considerar o motivo de sua rebelião, Adão começou a recriminar sua esposa por ter dado ouvidos à serpente.

12

Eva, por sua vez, procurando desculpar-se, lançou a culpa sobre o Criador, dizendo:

13

“Por que o Eterno permitiu que a serpente me enganasse?!”

14

O amor que reinava no coração humano desaparecia, dando lugar ao orgulho e ao egoísmo, que se fundiam em ressentimentos e ódio.

15

Sua natureza já não era pura e santa, mas corrompida e cheia de rebeldia.

16

Tudo estava mudado.

17

Mesmo a brisa mansa que até ali os havia banhado em carícias refrescantes, enregelava agora o culposo par.

18

As árvores e os canteiros floridos, que eram seu deleite, consistiam agora em empecilhos ao caminharem sem rumo naquela noite.

19

O propósito de Satanás em encher o sábado de trevas parecia haver se cumprido.

20

Naquela noite, não existia sequer o reflexo prateado do luar para falar-lhes de esperança.

21

As estrelas cintilantes, suspensas no escuro céu, estavam ofuscadas pela dor.

22

Baixavam sobre o mundo as trevas de uma longa noite de pecado; sombras sob as quais tantos se arrastariam sem esperança de um alvorecer.