Livro de Melquisedeque - Capitulo 49

Deus convoca seus exércitos celestiais para guardarem o homem das hostes rebeldes

1

Justificado pela entrega do casal, o Eterno convocou Seus poderosos exércitos para a peleja.

2

Em pronta obediência as hostes da luz irromperam pelo espaço sideral em direção a Terra, circundando uma forte muralha a colina, portadora daquele tesouro redimido pelo sangue do divino Rei.

3

Ao ser humano fora conferido no Éden o dever de cuidar da natureza: preparavam canteiros para as flores; colhiam frutos para mantimento; dirigiam os animais em seu inocente viver, adestrando-os para que lhes fossem úteis.

4

Essas ocupações tinham sido para eles fontes de desenvolvimento e prazer.

5

Agora, apesar das adversidades, deveriam continuar realizando esse dever.

6

O trabalho em si, realizado segundo as ordens do Criador, já anularia muitos ataques do inimigo.

7

As primeiras ocupações do casal naquela manhã, trouxeram-lhes revelações do grande amor de Deus, até então desconhecidas.

8

Ao reunirem as pedras para construção do altar experimentaram a dor de feridas que jorram sangue, como também a fadiga que faz minar suor.

9

Sentindo e contemplando tudo na própria carne, amaram mais o Salvador, para quem o altar construído prefigurava feridas maiores, que verteriam todo o Seu sangue, como também fadigas que minariam toda a seiva de Sua vida.

10

O olhar de saudade e de esperança do casal de agora em diante, jamais pousaria no Éden distante, sem discernir primeiro o altar dos sacrifícios.

11

Esse altar, com suas manchas de suor e sangue, permaneceria como uma lembrança da dor e do sofrimento que, depois de umedecer os lábios dos seres humanos, transbordaria na taça do Criador.