Livro de Melquisedeque - Capitulo 55

O amor ao Criador que nascia dentro de Adão e Eva a cada sacrifício

1

Consolados pelas revelações da natureza, Adão e sua companheira, aprendiam a cada dia a amar mais o Salvador.

2

Cresciam em sabedoria, humildade e santidade.

3

Todas as virtudes destruídas pelo pecado, renasciam no coração.

4

Com ânimo o casal dedicava-se ao labor edificante: plantavam jardins que pelo poder de Deus enchiam-se de perfumadas flores e deliciosos frutos.

5

Seu lar no exílio tornava-se num refúgio para os animais perseguidos dos vales.

6

A colina, sob a proteção dos anjos da luz, tornou-se numa miniatura do Éden distante.

7

Entre os animais reunidos e domados com amor, haviam muitas ovelhas.

8

Adão e Eva não conseguiam pousar os olhos sobre esses dóceis animais destinados ao sacrifício, sem provar no profundo da alma um misto de dor e gratidão.

9

Na noite que antecedia cada sábado, Adão tinha, por ordem do Criador, de repetir o doloroso ato.

10

Quanta amargura e arrependimento sobrevinham ao casal ao baixarem as trevas da noite do sacrifício!

11

Quanto consolo lhes trazia a chama do perdão que jamais deixara de brilhar sobre o altar.

12

O decisivo valor do sacrifício, para que a vida pudesse florescer sob a proteção divina, levou o casal a valorizar imensamente o seu pequeno rebanho.

13

Cada sexta-feira, contudo, passou a trazer consigo, além da dor, uma inquietação:

14

Quem doará seu sangue ao altar quando a última ovelha perecer?

15

Aos olhos do casal maravilhado aconteceu enfim o milagre do amor, renovando-lhes a esperança de viverem outras semanas sob o brilho da chama do perdão: uma ovelha, a mais gorda delas, passou a sangrar como em sacrifício;

16

De sua dor nasceram-lhes quatro cordeirinhos.

17

Cheios de alegria e gratidão, Adão e Eva prostraram-se ante o Salvador invisível, tendo nas mãos aquelas novas criaturinhas que traziam em seus olhos a mesma meiguice e disposição para o sacrifício.

18

Seguros de que novos milagres multiplicariam seus dias, o casal uniu sua voz como outrora, num cântico de gratidão e adoração ao Criador que, como os cordeirinhos nasceria também da dor para cumprir em sua vida o maior de todos os sacrifícios, para salvação da humanidade.