Livro de Melquisedeque - Capitulo 59

O nascimento de Caim

1

Depois da promessa, cada cordeirinho levado ao altar fazia pulsar mais forte no ventre materno a esperança da alegria que em breve alcançariam.

2

Trinta e seis finalmente baixaram às trevas cumprindo o tempo determinado pelo Criador em que a primeira criança receberia a luz.

3

Com as mãos ainda manchadas pelo sangue do sacrifício, Adão amparou sua esposa que, aos pés do altar prostrou-se vencida pela dor que lhe trouxe o primeiro filho.

4

A pequena criança não trazia na face a alegria da liberdade, mas o choro de sua prisão;

5

Esse pranto duraria a noite inteira, não fosse o brilho daquela chama aquecida de esperança que, logo atraiu a atenção de seus olhinhos atentos.

6

Envolvendo-o com alegria, Eva consolada de seu sofrimento, disse:

7

"Alcancei do Senhor a promessa".

8

Deu-lhe então o nome de Caim.

9

Depois de envolver o filhinho com as peles macias de um cordeiro, o casal permaneceu acordado a meditar.

10

Muitos eram os pensamentos que ocupavam suas mentes: pensamentos de alegria, de gratidão, de esperança e de anseio pelo senso da responsabilidade que agora pesava sobre seus ombros.

11

Acariciando com ternura a pequena criança, o casal amadureceu em sua experiência, compreendendo melhor o misterioso amor de Deus que, para salvar Seus filhos, dispôs-Se a morrer em lugar deles.

12

Adão e Eva não estavam sozinhos em suas reflexões: todos os seres inteligentes do Universo consideravam com interesse sobre o futuro daquele indefeso bebê que no íntimo trazia um reino de dimensões infinitas, a ser disputado pelos dois poderes em luta.

13

Quem seria o Senhor de sua vida?!

14

Trilhariam os seus pés o caminho ascendente que leva à vida, ou a estrada descendente que termina no abismo de uma eterna morte?!

15

Vendo a criança esboçar o seu primeiro sorriso, o casal subitamente lembrou-se da promessa do Criador que era confirmada em cada sacrifício:

16

Ele nasceria da mulher como criança, com a missão de redimir a humanidade.

17

Não seria Caim já o cumprimento da promessa?

18

O infante com seus olhinhos brilhantes de alegria se parecia tanto com os cordeirinhos que nasciam e cresciam com a missão de serem sacrificados!

19

Considerando assim, o casal apertando o filhinho junto ao peito começou a chorar sem consolo.

20

Quão terrível seria oferecer seu filhinho inocente ao rude altar!

21

Para o casal compungido pela dor surgiu em fim o brilhante sol fazendo reviver com seus cálidos raios as promessas que apontavam para um Salvador que, ainda no futuro, nasceria também da dor para cumprir o eterno plano de redenção.