Livro de Melquisedeque - Capitulo 7

A corrupção de Lúcifer

1

O universo, alimentando-se da Fonte da Vida, expandia-se numa eternidade de perfeita paz.

2

A obediência às leis divinas era o fundamento de todo progresso e felicidade.

3

Ainda que conscientes do livre-arbítrio, jamais subira ao coração de qualquer criatura o desejo de se afastar do Criador.

4

Assim foi por muito tempo, até que tal problema irrompeu na vida daquele que era o mais íntimo do Eterno.

5

Lúcifer, que dedicara sua vida ao conhecimento dos mistérios da luz, sentiu-se aos poucos atraído pelas trevas.

6

O Rei do Universo, aos olhos de quem nada pode ser encoberto, acompanhou com tristeza os seus passos no caminho descendente que leva à morte.

7

A princípio, uma pequena curiosidade levou Lúcifer a se aproximar daquele abismo profundo.

8

Contemplando-o, ele começou a indagar o porquê de não poder compreender o seu enigma.

9

Retornando a seu lugar de honra, junto ao trono, prostrou-se ante o divino Rei, suplicando-Lhe:

10

Pai, dá-me a conhecer os segredos das trevas, assim como me revelas a luz.

11

Ante o pedido do formoso anjo, o Eterno, com voz expressiva de tristeza, disse-lhe:

12

Meu filho, você foi criado para a luz, que é vida.

13

Convencendo-se de que o Criador não lhe revelaria os tesouros das trevas, Lúcifer decidiu compreender por si mesmo o enigma.

14

Julgava-se capacitado para tanto.

15

Com esta triste decisão, o príncipe dos anjos permitiu que surgisse em seu coração uma mancha de pecado que poderia trazer uma catástrofe para o Universo.

16

Só Deus sabia o que se passava no coração de Lúcifer.

17

O anjo, que fora criado para ser o portador da luz, estava divorciando-se em pensamentos do bondoso Criador que, num esforço de impedir o desastre, rogava-lhe permanecer a Seu lado.

18

Uma tremenda luta passou a travar-se em seu íntimo.

19

O desejo de conhecer o sentido das trevas era imenso, contudo, os rogos daquele amoroso Pai, a quem não queria também perder, o torturavam.

20

Vendo o sofrimento que sua atitude causava ao Criador, às vezes demonstrava arrependimento, mas voltava a cair.