Livro de Melquisedeque - Capitulo 79

Caim trilha nos caminhos do Eterno, mas Satanás lança sobre ele trevas espirituais

1

Desde o momento em que Caim passara a trilhar pelo caminho da salvação, Satanás e suas hostes cheios de ira passaram a fazer planos para reconquistá-lo.

2

Decidiram lançar sobre ele densas trevas espirituais, causando angústia e desânimo em sua nova experiência.

3

Estavam certos de que persistindo com essa pressão, alcançariam vitória.

4

Conhecendo os planos de Satanás, o Eterno ordenou Seus anjos a combaterem as trevas que circundariam o jovem Caim.

5

Ainda que conhecesse o seu futuro de rebeldia, o Criador faria todo o possível para mantê-lo a salvo das garras do inimigo.

6

Sobre a colina, naquele lar repleto de felicidade, Caim tornara-se após sua conversão no motivo principal dos louvores e comemorações.

7

Como uma criança, humilde e submissa, Caim andava entre os seus tendo na face o brilho do amor e da esperança, que eram nutridos sob a luz do altar.

8

Com lágrimas de gratidão distinguia agora em cada cordeirinho imolado o Redentor vindouro que pereceria em dor para oferecer-lhes a luz da eterna vitória.

9

Com alegria, Caim testemunhava diante de sua família e diante do vasto Universo, da paz que agora inundava sua alma agora renascida;

10

Jamais experimentara antes sensação de tanta liberdade, de tanto amor.

11

Sobre sua mente refrigerada, contudo, começou a baixar as sombras da provação que se intensificaram até mergulharem-no em escura noite.

12

Era assediado por tantas tentações que pareciam revigorar em seu coração os sonhos ilusórios de seu passado.

13

Vozes pareciam gritar em seus ouvidos dizendo:

14

Deixe esse caminho que não leva a nenhuma vitória!

15

Chega desses sacrifícios sangrentos que enaltecem a morte!

16

Contemple os jardins que você plantou, e veja como eles comemoram a vida.

17

Você é sábio e forte, e poderá construir um império de paz e prosperidade, colorido por extensos jardins que florescerão numa eterna primavera de sol.

18

Sacudido por essa tempestade de tentações, Caim quase vacilando, deixou transparecer em seu semblante a agonia que lhe inundava a alma.

19

Assim, sua aflição foi logo percebida pela sua família que, preocupada procurou saber dele as razões de sua angústia.

20

Temendo expor para sua família o que lhe afligia, calou-se afirmando que era apenas um sentimento de pesar que logo passaria.

21

Os pais ficaram aflitos, pois concluíram acertadamente, que era Satanás quem estava pressionando-o com o objetivo de arrastá-lo novamente para a escravidão.

22

Com lágrimas, aqueles pais clamaram ao Criador em favor daquele filho que, aflito, caminhava de um lado para o outro procurando encontrar alívio.

23

Anjos poderosos empenhavam-se insistentemente naquele conflito que travava-se invisível aos olhos humanos.

24

Ainda que severamente provado, Caim não chegaria ao ponto de ser forçado pelo inimigo a render-se ao pecado.

25

Havia um exército ao seu lado para ampará-lo em seus passos de fidelidade.

26

Todo o Universo estava atento para as decisões de Caim, que poderiam influir na experiência de incontáveis seres humanos que seguiriam os seus passos.

27

Orientado pelo exemplo de seus pais, Caim buscou na oração o refúgio para sua alma torturada.

28

Com fervor implorava ao Criador que firmasse os seus passos.

29

Embora sentisse forte apelo para voltar ao caminho da do orgulho e da aventura, estava decidido a continuar seus passos pelo trilho acidentado do amor e do sacrifício.

30

Temendo não alcançar o seu objetivo sobre Caim, Satanás ordenou seus guerreiros a suspenderem aqueles desesperados ataques.

31

Disse-lhes que através de sutil engano, lograriam a vitória que dificilmente alcançariam pela força.

32

Com isso, a paz voltou a reinar na mente de Caim que, unido à família, cantava louvores a O Eterno, o autor de sua salvação.