Livro de Melquisedeque - Capitulo 80

Satanás trama a queda de Caim

1

Enquanto aquela família com alegria comemorava mais uma vitória alcançada na vida de Caim, as hostes das trevas estavam reunidas tramando novos planos de ataque.

2

Muitas ideias foram apresentadas, mas prevaleceram aquelas elaboradas por Lúcifer, arqui-enganador.

3

Ele afirmou confiante:

4

Se tão nos aproximarmos de Caim como amigos em sua jornada no caminho da salvação, inspirando pensamentos e sentimentos de fé no Redentor, não nos será difícil introduzir com sutileza as sementes da rebeldia que, germinarão uma a uma em seu coração confiante, fazendo-o menosprezar finalmente os sacrifícios de sangue sobre o altar, com o pensamento de não mais depender desse símbolo para ter em mente o Salvador vindouro.

5

Quando iludido julgar haver alcançado o amadurecimento espiritual, estará novamente no abismo.

6

Naquela colina, que era centro das atenções de todo o Universo, sucediam para a pequena família dias de alegria, prosperidade e paz.

7

Cresciam cada vez mais em sabedoria e graça, trilhando no caminho da salvação.

8

Por detrás dessa paz, porém, inconsciente à família jubilosa, uma perigosa armadilha se armava.

9

O Eterno e Seus exércitos, preocupavam-se com essa situação, pois sabiam que seus inimigos poderiam causar com esse disfarce, uma grande ruína à humanidade, na experiência da qual se processa a redenção do Universo.

10

Os guerreiros da luz agora, não teriam de lutar contra as trevas, mas contra um falso brilho.

11

Envolvido por influências aparentemente positivas, as quais julgava proceder todas do Criador, Caim tornava-se aos poucos confiante e bem seguro da vitória prometida.

12

Seu amor pelo Eterno parecia tornar-se imenso, e vibrava ao prever a perfeita felicidade que alcançaria no alvorecer do dia eternal.

13

Satanás que atento o acompanhava em sua experiência religiosa, viu haver chegado o momento de atraí-lo com sua falsa luz, desviando-o do caminho da justiça.

14

Orientou mais uma vez seus guerreiros a agirem com cautela e paciência, inspirando subtilmente pensamentos e sentimentos de aparente virtude que o levassem imperceptivelmente a negligenciar por fim o sacrifício de sangue sobre o altar, julgando haver alcançado em sua santificação um nível superior, no qual não se depende mais daquele doloroso rito.