O livro de Jasar - Capitulo 12

Abraão e preso e condenado a morte

1

E rei ouviu as palavras de Abrão, e ordenou que fosse colocado em prisão, e Abrão ficou dez dias na prisão.

2

E, no final daqueles dias, o rei ordenou que todos os reis, príncipes e governadores de diferentes províncias e aos sábios que viessem diante dele, e sentaram-se diante dele, e Abrão ainda estava confinado na prisão.

3

E o rei disse aos príncipes e sábios, Vocês já ouviram falar o que Abrão, filho de Tera fez a seu pai? Assim e assim ele fez para ele, e eu pedi a ele para ser trazido diante de mim, e assim e assim, ele falou: ele não temeu em seu coração, nem ele tremeu na minha presença, e eis que agora ele está confinado na prisão.

4

E, portanto, decidamos o julgamento que é devido a este homem que insultou o rei, que falou e fez todas as coisas que vocês ouviram.

5

E eles todos responderam ao rei, O homem que afrontou o rei deve ser enforcado em cima de uma árvore, por ter feito todas as coisas que ele fez, e por ter desprezado os nossos deuses, ele deve, portanto, ser queimado até a morte, porque esta é a lei nesta matéria.

6

Se agradar ao rei fazer isso, que ele ordene seus servos e acenda-se um fogo dia e noite no teu forno de tijolos, e depois vamos lançar este homem nele. E o rei assim fez, e ele ordenou a seus servos, que acendessem um fogo por três dias e três noites na fornalha do rei, que está em Casdim, e o rei ordenou-lhes para tirar Abrão da prisão e trazê-lo para fora para ser queimado.

7

E todos os servos do rei, príncipes, barões, governadores e juízes, e todos os moradores da terra, cerca de 900 mil homens, ficaram em frente ao forno para ver Abrão.

8

E todas as mulheres e pequeninos se aglomeraram em cima dos telhados e torres para ver o que seria feito com Abrão, e todos eles ficaram juntos a uma distância, e não faltava um homem ali que não largasse tudo e viesse naquele dia para contemplar a cena.

9

E entrando Abrão, os mágicos do rei e os sábios viram Abrão, e eles gritaram para o rei, dizendo, nosso Senhor soberano, certamente este é o homem que sabemos ter sido o filho em cujo nascimento a grande estrela engoliu as quatro estrelas, que declaramos ao rei há 50 anos atrás.

10

E seu pai também transgrediu teus comandos, e zombou de ti ao trazer-te outra criança, que tu matares.

11

E o rei, ouvindo as suas palavras, ficou muito irado e mandou que Tera fosse levado até ele.

12

E o rei disse: Tens ouvido o que os mágicos falaram? Agora diz me a verdade, como fizeste a coisa, e se tu falares a verdade, serás absolvido.

13

E, vendo que a raiva do rei era grande, Tera disse ao rei; meu Senhor e rei, tu ouviste a verdade, e o que os sábios têm falado é certo. E o rei disse: Como pudeste fazer tal coisa, a transgredir as minhas ordens e me dar um filho que não fizeste e recebeste valor por ele?

14

E Tera respondeu o rei: porque meus sentimentos por meu filho falaram mais alto nesse tempo, e eu levei um filho de minha serva, e eu o trouxe para o rei.

15

E o rei perguntou: e quem te aconselhou nisso? Diz-me, não escondas alguma coisa de mim, e não morrerás.

16

E Tera estava muito apavorado na presença do rei, e disse ao rei: Foi Haran meu filho mais velho que me aconselhou a isso, e Haran tinha trinta e dois anos de idade quando Abrão nasceu.

17

Mas Haran não aconselhou seu pai em qualquer coisa, pois Tera disse isso ao rei, a fim delivrar a sua alma do rei, porque temia muito, e disse o rei a Tera: Haran teu filho que te aconselhou morrerá pelo fogo com Abrão, pois a sentença de morte está sobre ele por ter se rebelado contra o desejo do rei em fazer isso.

18

E Haran naquele momento sentiu-se inclinado a seguir Abrão, mas ele nada declarava abertamente.

19

Pois Haran dizia em seu coração: Eis que agora o rei se aborreceu com Abrão por causa destas coisas que Abrão fez, mas se tudo vier a passar, caso Abrão venha a prevalecer sobre o rei eu vou segui-lo, mas se o rei prevalecer irei atrás do rei.

20

Terá tinha falou para o rei acerca de Haran seu filho, o rei ordenou que Haran fosse amarrado com Abrão.

21

E trouxeram os dois, Abrão e Haran, seu irmão, para lançá-los no fogo, e todos os habitantes da terra e servos do rei e os príncipes e todas as mulheres e suas parentelas estavam lá, de pé naquele dia, junto deles.

22

E os servos do rei tomaram Abrão e seu irmão, e lhes tiraram todas as suas roupas, exceto suas roupas menores que estavam sobre eles.

23

E amarraram suas mãos e pés com cordas de linho, e os servos do rei os levaram e os jogaram no forno.

24

E o Senhor amou Abrão e teve compaixão dele, e o Senhor o livrou Abrão do fogo e ele não foi queimado.

25

Mas todas as cordas com que o amarraram foram queimadas, e Abrão permaneceu e caminhava no fogo.

26

Haran porém, morreu quando o lançaram no fogo, e ele foi reduzido a cinzas, pois seu coração não era perfeito para com o Senhor, e aqueles homens que os lançaram no fogo, foram consumidos pela chama de fogo que se espalhou sobre eles queimando-os; e doze dos seus homens morreram.

27

E Abrão andou no meio do fogo três dias e três noites, e todos os servos do rei o viram andando no fogo, e eles vieram e falaram ao rei, dizendo: Eis que vimos Abrão andando no meio do fogo, e até mesmo a menor das roupas que estão sobre ele não são queimadas, mas o cabo com o qual ele estava amarrado está queimado.

28

E quando o rei ouviu estas palavras, seu coração desmaiou e ele não queria acreditar neles, assim ele enviou outros príncipes fiéis para ver esta matéria, e foram, e viram e disseram ao rei, e o rei levantou-se para ir vê-lo, e ele viu Abrão andando para lá e para cá no meio do fogo, e ele viu o corpo de Haran queimado, e o rei se espantou muito.

29

E o rei ordenou que Abraão fosse retirado do fogo, e os seus servos aproximaram-se para levá-lo para fora, mas não podiam, pois o fogo a chama o cercava e aumentava em direção deles dentro da fornalha.

30

E os servos do rei fugiram dele, e o rei os repreendeu, dizendo: Apressem-se a trazer Abrão para fora do fogo, para que não morram.

31

E os servos do rei novamente se aproximaram para trazer Abrão para fora, e as chamas chegaram em cima deles e queimaram seus rostos de forma que oito deles morreram.

32

E quando o rei viu que os seus servos não se podiam aproximar do fogo para não serem queimados, o rei chamou a Abrão: Ó servo do Deus que está no céu, sai do meio do foge e fica diante de mim, e Abrão ouviu a voz do rei, e saiu do fogo e veio, e se pôs diante do rei.

33

E quando Abrão saiu o rei e todos os seus servos viram Abrão vindo ante o rei, com suas vestes mais íntimas em cima dele, pois elas não foram queimadas, mas o cabo com o qual ele estava preso fora queimado.

34

E o rei disse a Abrão: Como é que tu não foste queimado no fogo?

35

E Abrão disse ao rei: O Deus do céu e da terra em quem confio e que tem todo o poder, ele livrou-me do fogo em que tu me lanças-te.

36

E Haran, irmão de Abrão foi reduzido a cinzas, e procurado pelo seu corpo, e eles não o acharam.

37

E Haran tinha 82 anos de idade, quando morreu no fogo de Casdim. E o rei, os príncipes, e os habitantes da terra, vendo que Abrão fora salvo do fogo, eles se prostraram a Abrão.

38

E Abrão disse-lhes: Não se curvam a mim, mas curvam-se para o Deus do mundo que fez vocês, e sirvam-no, e andem em seus caminhos, pois foi ele que me livrou deste fogo, e foi ele quem criou as almas e os espíritos de todos os homens, e forma o homem no ventre da sua mãe, e o traz ao mundo, e é ele quem vai livrar de toda a dor, àqueles que nele confiarem.

39

E esta coisa parecia muito maravilhosa aos olhos do rei e dos príncipes, que Abrão fora salvo do fogo e que Haran fora queimado, e o rei deu a Abrão muitos presentes e ele deu-lhe dois de seus melhores servos da casa do rei, o nome de um era Oni e o nome do outro era Eliézer.

40

E todos os reis, príncipes e servos do rei deram a Abrão muitos presentes de prata e ouro e pérolas, e o rei e seus príncipes o mandaram embora, e ele foi em paz.

41

E Abrão saiu da presença do rei, em paz, e muitos dos servos do rei seguiram ele, e cerca de 300 homens se juntaram a ele.

42

E Abrão voltou naquele dia e foi para a casa de seu pai, ele e os homens que o seguiram, e Abrão serviu ao Senhor, seu Deus, todos os dias da sua vida, e ele andou retamente em seus caminhos.

43

E daquele dia em diante Abrão inclinou o coração dos filhos dos homens para servir ao Senhor.

44

E naquele tempo Naor e Abrão tomaram para si esposas, filhas de seu irmão Haran, e a mulher de Naor era Milca e o nome da mulher de Abrão era Sarai. E Sarai, mulher de Abrão, era estéril, não tinha filhos nesses dias.

45

E no termo de dois anos a partir de Abrão ter saído do fogo, aos 52 anos de sua vida, eis que o rei Nimrod sentou-se sobre o trono em Babel, o rei caiu em profundo sono e havendo adormecido, sonhou que ele estava com suas tropas num vale em frente ao forno do rei.

46

E ele levantou os olhos e viu um homem à semelhança de Abraão vindo apressadamente a partir da fornalha, e que ele veio e pôs-se diante do rei com a sua espada desembainhada, e então apontou ao rei com sua espada, e quando viu isso o rei fugiu do homem, pois ele estava com medo, e enquanto ele estava fugindo, o homem jogou um ovo na cabeça do rei, e do ovo tornou-se um grande rio.

47

E o rei sonhou que todas as suas tropas afundaram no rio e morreu, e tomou o rei vôo com três homens que estavam diante dele, e ele escapou.

48

E o rei olhou para estes homens e eles estavam vestidos de vestidos principescos como roupas de reis e tinha a aparência e majestade de reis.

49

E, enquanto eles estavam correndo, o rio tornou-se a um ovo diante do rei, e saiu do ovo uma ave jovem que veio perante o rei, e voou em sua cabeça e arrancou os olhos do rei.

50

O rei ficou aflito com a visão, e acordou do seu sono e seu espírito foi agitado, e ele sentiu um grande terror.

51

E pela manhã, o rei levantou-se da cama com medo, e ele ordenou que todos os homens sábios e mágicos viessem diante dele, e o rei relatou seu sonho para eles.

52

E o servo sábio do rei, cujo nome era Anuki, respondeu ao rei, dizendo: Este sonho nada mais é senão o mal de Abraão e sua semente que brotará contra o meu Senhor e rei nos últimos dias.

53

E eis que o dia chegará quando Abrão e sua descendência, e as crianças de sua casa farão guerra com meu rei, e ferirão todos os exércitos do rei e suas tropas.

54

E quanto ao que disseste a respeito três homens que tu disseste ver, e que te ajudarão a escapar, o que significa é que tu fugirás apenas com três reis da terra que estarão contigo em batalha.

55

E aquilo que viste do rio, que transformou se num ovo como no início, e o jovem pássaro arrancar teus olhos, isso significa que a semente de Abrão que irá matar o rei nos últimos dias.

56

Este é o sonho do rei, e é a sua interpretação, e o sonho é real, e a interpretação que o teu servo te deu é certa.

57

Agora, pois, meu rei, certamente tu sabes que fazem agora 52 anos desde que os teus sábios viram isso no nascimento de Abrão, e se meu rei vai permitir a Abrão viver na terra, será para dano de meu senhor e rei, pois todos os dias que Abrão viver, nem tu, nem teu reino será estabelecido, e isso era conhecido já antigamente no seu nascimento, e por isso se o rei não o matar, o seu mal virá a ti nos últimos dias.

58

E Nimrod, ouviu a voz de Anuki, e ele enviou alguns de seus servos em segredo para ir e chamar a Abrão, e trazê-lo diante do rei para sofrer a morte.

59

E Eliezer, servo de Abrão a quem o rei lhe tinha dado, estava naquele momento na presença do rei, e ele ouviu o que Anuki havia aconselhado o rei, e que o rei tinha dito para causar a morte de Abrão.

60

E Eliezer disse a Abrão: Apressa-te, levanta-te e salva a tua alma, para que não morras através das mãos do rei, pois assim e assim ele viu em um sonho de ti, e assim o interpretou Anuki, e assim também aconselhou Anuki o rei a teu respeito.

61

E ouviu Abrão a voz de Eliezer, e Abrão se apressou e correu para a segurança da casa de Noé e seu filho Shem, e ele se escondeu lá e encontrou um lugar de segurança, e os servos do rei vieram à casa de Abrão para procurá-lo, mas não o conseguiram encontrar, e procuraram por todo o país e não foi achado, e eles foram e pesquisaram em todas as direções e ele não prosperaram.

62

E quando os servos do rei se convenceram que não iam encontrar Abrão eles voltaram, e a ira do rei contra Abrão foi acalmando, por não ter sido encontrado, e o rei acabou por esquecer este assunto relativo a Abrão.

63

E Abrão ficou escondido na casa de Noé por um mês, até que o rei tinha esquecido este assunto, mas Abrão ainda estava com medo do rei, e Tera veio visitar a Abrão seu filho secretamente em casa de Noé, e Tera era muito grande aos olhos do rei.

64

E Abrão disse a seu pai; não sabes tu que o rei pensa em matar-me, e aniquilar o meu nome da terra por conselho de seus conselheiros ímpios?

65

Agora quem tens tu aqui e o que tens nesta terra? Levanta-te, vamos juntos para a terra de Canaã, para que sejamos livres de sua mão, para que não pereças também por ele em teus últimos dias.

66

Ou não sabes tu, e não ouviste nunca, que não é por amor que te dá Nimrod toda essa honraria, mas é só para seu benefício que ele te enche de tudo isso?

67

E mesmo ele te faça mais do que isso, com certeza, isso são apenas vaidades do mundo, de riqueza e de riquezas não te podem livrar no dia de sua ira e raiva.

68

Agora, pois, ouve a minha voz, e apressa-te vir para a terra de Canaã, para longe de Ninrod, e honra o Senhor que tu te criou na terra, jogando fora todas as coisas vãs em que confias e te irá bem.

69

E após Abrão falar, Noé e seu filho Sem e Tera responderam: Verdadeira é a palavra que Abrão te diz.

70

E Tera, ouviu a voz de seu filho Abrão, e Tera fez que tudo o que disse Abrão, porque isso vinha do Senhor, que o rei não deveria causar a morte de Abrão.