O livro de Jasar - Capitulo 18

Abraão e os três anjos

1

E Abraão levantou-se e fez tudo o que Deus lhe ordenara, e levou os homens da sua casa e os comprados por seu dinheiro, e todos foram circuncidados como o Senhor lhe tinha ordenado.

2

E não houve nenhum a quem não circuncidou, e Abraão e seu filho Ismael foram circuncidados na carne de seu prepúcio; treze anos de idade tinha Ismael quando ele foi circuncidado na carne do seu prepúcio.

3

E no terceiro dia, Abraão saiu de sua tenda e sentou-se à porta para desfrutar do calor do sol, durante a dor de sua carne.

4

E o Senhor lhe apareceu na planície de Manre, e enviou três de seus anjos ministeriais para visitá-lo, e ele estava sentado na porta da tenda, e ele levantou os olhos e viu, e eis três homens vinham de uma distância, e ele se levantou e correu para encontrá-los, e ele inclinou-se para eles e trouxe-os para sua casa.

5

E ele lhes disse: Se agora tenho achado graça em seus olhos, entrem e comam um pedaço de pão, e insistindo com eles, entraram deu-lhes água e lavaram seus pés, e ele os colocou debaixo de uma árvore na porta da tenda.

6

Abraão e pegou um bezerro, tenro e bom, e ele o matou, e deu a seu servo Eliezer para o cozinhar.

7

E veio Abraão a Sarah na tenda, e disse-lhe: Prepara rapidamente três medidas de farinha fina, amasse-o e faz bolos para cobrir o pote contendo carne, e ela fez isso.

8

E Abraão apressou-se e trouxe diante deles manteiga e carne, leite e carne de carneiro, e deu-lhes diante deles para comerem, e eles comeram.

9

E quando eles tinham acabado de comer um deles lhe disse, eu voltarei para ti no tempo de sua vida determinado, e Sara, tua mulher terá um filho.

10

E os homens depois partiram e seguiram seus caminhos para o lugar para o qual foram enviados.

11

E naqueles dias, todas as pessoas de Sodoma e Gomorra, e das cinco cidades inteiras, se tornaram extremamente ímpios e pecadores contra o Senhor e provocaram o Senhor com as suas abominações, e cresciam em malignidade, e suas maldades e os crimes eram naqueles dias grandes, diante do Senhor.

12

E eles tinham em suas terras um vale muito grande, cerca de metade de um dia de caminhada, e nele havia fontes de água e uma grande quantidade de forragem em torno da água.

13

E todas as pessoas de Sodoma e Gomorra iam lá quatro vezes no ano, com as suas esposas e filhos e todos os que pertenciam a eles, e eles se alegraram lá com adufes e danças.

14

E no tempo de regozijo todos iam lançavam mão das esposas de seus vizinhos, e alguns, as filhas virgens dos seus vizinhos, e cada homem via seu esposa e filhas nas mãos de seus vizinhos, e não diziam uma só palavra.

15

E eles o faziam de manhã à noite, e depois voltavam para casa de cada um para sua casa e cada mulher à sua tenda, e eles o faziam quatro vezes no ano.

16

E também quando um estranho entrava em suas cidades e traziam bens que ele havia comprado com o objetivo de dispor deles lá, as pessoas dessas cidades se reuniam, homens, mulheres e crianças, jovens e velhos, e tomavam seus bens pela força, distribuindo um pouco por cada homem até que nada restasse de todos os bens do proprietário, que ele tinha trazido para a terra.

17

E se o proprietário das mercadorias brigasse com eles, dizendo: O que é este trabalho que vocês fazem a mim, então eles se aproximavam para ele, um por um, e cada um lhe mostraria o parte com que ficara e ameaçavam-no, dizendo: Eu só retive o pouco que tu me deste; e quando ele ouvia isso de todos eles, ele se levantava e se retirava deles na tristeza e amargura de alma, e todos o seguiam, e o expulsavam para fora da cidade com grande barulho e tumulto.

18

E houve ali um homem do país de Elão, que percorria descansadamente a estrada, sentado sobre seu jumento, que carregava um manto fino de diversas cores, e o manto estava preso com um cabo em cima do jumento.

19

E o homem estava em sua viagem passando pelas ruas de Sodoma, quando o pôr do sol se deu e anoiteceu, e ele permaneceu lá, a fim de passar a noite, mas ninguém o deixava entrar em sua casa, e naquela época havia em Sodoma um homem mau e travesso, hábil para fazer o mal, e seu nome era Hedad.

20

E ele viu o viajante na praça da cidade, e ele veio e disse: Donde vens e para onde vais tu?

21

E o homem disse, eu estou viajando de Hebron para Elão onde eu pertenço, o sol se pôs e ninguém me deixa entrar em sua casa, embora eu tenha pão e água e também palha e forragem para meu jumento, e nada me falta.

22

E Hedad respondeu, e disse-lhe: Tudo o que precisas serão fornecidos por mim, mas na rua não permanecerás toda a noite.

23

E Hedad o levou para sua casa, e ele pegou o manto do jumento pelo cabo, e os trouxe para a casa dele, e ele deu-lhe a palha e forragem ao jumento, o viajante comeu e bebeu na casa Hedad, e ficou ali naquela noite.

24

E pela manhã o viajante se levantou de madrugada para continuar sua jornada, quando Hedad disse a ele; Espera, consola o teu coração com um bocado de pão e depois vai, e o homem o fez, e ele permaneceu com ele, e ambos comeram e beberam juntos durante o dia, até que o homem se levantou para ir.

25

E Hedad disse-lhe: Eis que agora o dia está em declínio, será melhor permanecer toda a noite para que o teu coração possa descansar, e instou com ele para que ele ali permanecesse toda a noite, e ao segundo dia, ele levantou-se cedo para ir embora, quando Hedad o pressionou, dizendo: Conforta teu coração com um bocado de pão e depois vai, e ele permaneceu e comeu com ele também o segundo dia, e então o homem se levantou para continuar sua jornada.

26

E Hedad disse-lhe: Eis que agora o dia está em declínio, permanece comigo para consolar o teu coração e de manhã, levanta-te de madrugada e vai-te.

27

E o homem não quis ficar, levantou-se e albardou o seu jumento, e enquanto ele estava selando o jumento, a esposa de Hedad disse a marido: Eis que este homem permaneceu conosco por dois dias comendo e bebendo, e não nos deu nada, e agora ele irá para longe de nós sem dar nada? E Hedad e disse a ela para se calar.

28

E o homem albardou o seu jumento para ir, e ele pediu a Hedad para lhe dar o cabo e o manto para amarrá-lo em cima do jumento.

29

E Hedad disse a ele, que dizes? E ele lhe disse: Que o meu Senhor me devolva o cabo e o manto feito com diversas cores que tu guardaste contigo em tua casa para cuidar dele.

30

E Hedad respondeu o homem, dizendo: Esta é a interpretação do teu sonho, o cabo que tu falas, significa que a tua vida vai se prolongará para fora como um cordão, e o manto colorido com todos os tipos de cores, significa que terás um vinhedo em que plantarás árvores de todas as frutas.

31

E o viajante respondeu, dizendo: Não é assim, meu senhor, pois eu estava bem acordado quando eu te dei o cabo e também o manto de tecido com cores diferentes, que tu retiras-te do jumento para guardares para mim, e Hedad respondeu, e disse: Certamente eu te disse a interpretação do teu sonho e é um sonho bom, e esta é a sua interpretação.

32

Ora, os filhos dos homens dão-me quatro peças de prata, que é minha responsabilidade para interpretar sonhos, e de ti eu só exijo três peças de prata.

33

E o homem ficou chocado com as palavras de Hedad, e ele chorou amargamente, e ele trouxe Hedad a Serak, juiz de Sodoma.

34

E o homem expôs a sua causa diante de Serak, o juiz, e Hedad respondeu, dizendo: Não é assim, mas, assim e assim, a matéria se encontra, e o juiz disse ao viajante: Este homem Hedad fala a verdade de ti, porque ele é famoso nas cidades para a interpretação precisa de sonhos.

35

E o homem chorou ao ouvir a palavra do juiz, e ele disse: Não é assim, meu Senhor, por que foi de dia que eu lhe dei o cordão e manto, que estava em cima do jumento, a fim de colocá-los em sua casa, e ambos disputaram perante o juiz, dizendo: Assim era o problema, e o outro, que declarava contrário.

36

E Hedad disse ao homem: Dá-me quatro peças de prata que eu levo pelas minhas interpretações de sonhos, não vou fazer qualquer desconto, e dá-me a despesa dos quatro refeições que tu comeste em minha casa.

37

E o homem disse a Hedad, Verdadeiramente eu te pagarei pelo que eu comi em tua casa, se me devolveres cabo e o manto que tu escondes-te em tua casa.

38

E Hedad respondeu perante o juiz e disse ao homem: Não te disse eu a interpretação do teu sonho? O cabo significa que os teus dias serão prolongados como uma corda, e o manto, um vinhedo que desejas, em que plantarás todos os tipos de árvores frutíferas.

39

Esta é a interpretação adequada do teu sonho, agora me dá-me as quatro peças de prata que eu exijo como compensação, para te farei nenhum desconto.

40

E o homem gritou às palavras de Hedad e ambos discutiram diante do juiz, e o juiz deu ordem aos seus servos, que os levaram precipitadamente para fora da casa.

41

E eles se retiraram do juiz embora discutindo, e quando o povo de Sodoma os ouviu, eles se reuniram com eles e eles exclamaram contra o estrangeiro, e expulsaram-no da cidade.

42

E o homem continuou sua viagem em cima de seu jumento com amargura de alma, lamentando e chorando.

43

E enquanto ele estava indo ele chorou o que tinha acontecido com ele na cidade corrupta de Sodoma.