O livro de Jasar - Capitulo 32

Jacó envia uma mensagem de paz ao seu irmão

1

E naquele tempo Jacó mandou mensageiros a seu irmão Esaú em direção à terra de Seir, e ele lhe suplicou.

2

E ele lhes ordenou, dizendo: Assim direis a meu senhor, a Esaú: Assim diz o teu servo Jacó, Não queira o meu senhor imaginar que a bênção de meu pai com o qual ele me abençoou, tenha sido benéfica para mim.

3

Porque eu tenho sido estes 20 anos com Labão, e ele me enganou e mudou o meu salário dez vezes, como já antes disseram a meu senhor.

4

E eu servi-o em sua casa muito de forma trabalhadora, e Deus depois viu a minha aflição, o meu esforço e o trabalho de minhas mãos, e Ele me deu graça e favor diante dele.

5

E eu depois através desta grande misericórdia de Deus e bondade, adquiri bois e jumentos e gado, e os servos dos homens e servas.

6

Agora estou voltando para a minha terra e minha casa, para meu pai e minha mãe, que está em Canaã, e enviei para que o meu senhor saiba de tudo isso a fim de encontrar graça aos olhos de meu senhor, para que não imagine que eu tenho de mim mesmo obtido riqueza, ou que a bênção com que meu pai me abençoou.

7

E os mensageiros foram a Esaú, e encontraram-no na fronteira da terra de Edom, indo em direção a Jacó, e 400 homens dos filhos de Seir, o horeu, estavam de pé com espadas desembainhadas.

8

E os mensageiros de Jacó disseram Esaú todas palavras que Jacó tinha falado com eles sobre Esaú.

9

E Esaú respondeu-lhes com orgulho e desprezo, e disse-lhes: Certamente eu tenho ouvido e realmente foi dito a mim o que Labão, fez a Jacó que o exaltou em sua casa e deu-lhe suas filhas para esposas, e gerou filhos e filhas, e abundantemente se aumentou na riqueza e riquezas na casa de Labão através de seus meios.

10

E, quando viu que sua riqueza era abundante, fugiu com tudo pertence a ele, da casa de Labão, e levou as filhas de Labão para longe do rosto de seu pai, como cativas pela espada, sem dizer-lhe isso.

11

E não somente a Labão Jacó tem feito assim, mas também a mim por duas vezes enganando a mim, e eu devo ficar em silêncio?

12

Hoje chegou o dia que em meus campos o encontrarei, e vou fazer de acordo com o desejo do meu coração.

13

E voltaram os mensageiros e vieram a Jacó e disseram-lhe: Fomos a teu irmão, Esaú, e dissemos-lhe todas as tuas palavras, e assim e assim, ele nos respondeu, e eis que ele vem para encontrar-te com 400 homens.

14

Agora, então, vê o que hás de fazer, e ora diante de Deus para te livrar dele.

15

E quando ele ouviu as palavras de seu irmão, que ele tinha falado aos seus mensageiros, Jacó teve muito medo e ficou aflito.

16

E Jacó orou ao Senhor, seu Deus, e ele disse: Ó Senhor, Deus de nossos pais, de Abraão e Isaac, tu falaste-me quando eu fui embora da casa de meu pai, dizendo:

17

Eu sou o Senhor Deus de teu pai Abraão e Deus de Isaac, a ti eu darei esta terra e a tua descendência depois de ti, e farei a tua descendência como as estrelas do céu, e tu te estenderás para os quatro lados do céu, e em ti e na tua semente, abençoarão todas as famílias desta terra.

18

E estabeleceste as tuas palavras, de dar a mim riquezas e crianças e gado, como os desejos do meu coração; de dar a mim tudo o que eu pedi de ti, de modo que eu não tenha falta de nada.

19

E tu depois me disseste: Retorna para teus pais e para a tua terra natal e eu te abençoarei.

20

E agora que eu vim, e tu me livraste de Labão, para cair nas mãos de Esaú, que vai matar-me, juntamente com as mães dos meus filhos.

21

Agora, pois, ó Senhor Deus, livrai-me, peço-te, também das mãos de meu irmão Esaú, porque eu tenho muito medo dele.

22

E se não há justiça em mim, faz isso por causa de Abraão e de meu pai Isaac.

23

Porque eu sei que foi através da tua bondade e da tua misericórdia que eu adquiri essa riqueza, agora, portanto, eu rogo-te que me livres neste dia com a tua bondade e me respondas.

24

E Jacó cessou de orar ao Senhor, e ele dividiu as pessoas que estavam com ele, com as ovelhas e gado em dois campos, e ele entregou metade para o cuidado de Damesek, filho de Eliezer, servo de Abraão, para um acampamento, com seus filhos, e a outra metade ele entregou ao cuidado de seu irmão Elianus, o filho de Eliezer, num acampamento com seus filhos.

25

E ordenou-lhes, dizendo: Guardai-vos a uma distância nos campos, e não fiquem muito perto um do outro, e se vier Esaú a um acampamento e os mates, o outro campo escapar.

26

E Jacó permaneceu lá durante toda a noite ele deu a seus servos instruções sobre as forças e seus filhos.

27

E o Senhor ouviu a oração de Jacó, naquele dia, e o livrou Jacó das mãos de seu irmão Esaú.

28

E o Senhor enviou três anjos dos anjos do céu, e eles foram diante de Esaú e vieram a ele.

29

E estes anjos apareceram a Esaú e seu povo como dois mil homens, cavalgando cavalos equipados com todos os tipos de instrumentos de guerra, e que apareceram diante de Esaú e todos os seus homens divididos em quatro arraiais, com quatro chefes para eles.

30

E um desses arraiais avançou e eles encontraram Esaú vindo com 400 homens em direção a seu irmão Jacó, e este acampamento correu para Esaú e seu povo e aterrorizaram os, e Esaú caiu do cavalo em alarme, e todos os seus homens separaram-se dele naquele lugar, pois ficaram com muito medo.

31

E todo o arraial gritou quando eles fugiram de Esaú, e os homens de guerra responderam, dizendo:

32

Certamente, nós somos os servos de Jacó, o servo de Deus, e quem, então, podem ficar contra nós? E Esaú disse-lhes: Ó, meu senhor que meu irmão Jacó é o seu senhor, que eu não tenho visto por estes vinte anos, e agora que eu tenho neste dia chegado para vê-lo, vocês me tratam dessa forma?

33

E os anjos lhe responderam, dizendo: Vive o Senhor, que se não fosse por Jacó teu irmão, que não teríamos deixado um remanescente de ti e do teu povo, mas apenas por amor a Jacó que não faremos nada contra eles.

34

E esse arraial levantou-se de Esaú e seus homens e ele foi embora, e Esaú e seus homens tinha já se afastado, quando o segundo arraial veio em direção a ele com todos os tipos de armas, e também fez a Esaú e seus homens como o primeiro arraial tinha feito para eles.

35

E, quando as pessoas tinham partido, eis que o terceiro campo veio em sua direção e eles ficaram apavorados, e Esaú caiu do cavalo, e todo o arraial gritou, e disse: Certamente nós somos os servos de Jacó, que é o servo de Deus, e quem pode estar contra nós?

36

E Esaú novamente respondeu-lhes, dizendo: Ó, meu senhor Jacó e seu senhor é meu irmão, e por vinte anos eu não vi seu rosto e ouvi neste dia que ele estava vindo, eu fui neste dia para encontrá-lo, e vocês me tratam desta maneira?

37

Responderam-lhe eles, e disseram-lhe: Como Vive o Senhor, que se não fosse por Jacó teu irmão, que não teríamos deixado um remanescente de ti e do teu povo, mas apenas por amor a Jacó que não faremos nada contra teus homens.

38

E o terceiro arraial também passou com eles, e ele ainda continuou seu caminho com seus homens para Jacó, quando o quarto arraial veio em direção a ele, e também fez a ele e seus homens como os outros fizeram.

39

E quando Esaú viu o mal que os quatro anjos tinham feito a ele e aos seus homens, ele ficou com muito medo de seu irmão Jacó, e ele foi encontrá-lo em paz.

40

E Esaú escondeu o seu ódio contra Jacó, porque ele estava com medo de sua vida por conta de seu irmão Jacó, e porque imaginava que os quatro campos que ele tinha visto antes eram servos de Jacó.

41

E Jacó permaneceu naquela noite com os seus servos em seus campos, e resolveu com seus servos de dar a Esaú um presente de tudo o que tinha com ele, e de todos os seus bens; e Jacó levantou-se de manhã, ele e os seus homens, e eles escolheram de entre o gado um presente para Esau.

42

E este é o valor do presente, que escolheu Jacó do seu rebanho para dar ao seu irmão Esaú, e ele selecionou 240 cabeças dos rebanhos, e ele selecionou dos camelos e jumentos 30 cada um, e escolheu 50 vacas.

43

E meteu-os em 10 rebanhos, e ele colocou cada espécie por si só, e entregou nas mãos de dez dos seus servos, cada rebanho à parte.

44

E ordenou-lhes, e disse-lhes: Guardai-vos a uma distância um de cada outro, e coloquem um espaço entre os bandos, e quando Esaú e aqueles que estão com ele vos encontrarem e perguntar-lhe, dizendo: De quem és, e para onde vocês vão, e a quem pertence tudo isso diante de vocês, você devem dizer-lhes: Nós somos servos de Jacó, e nós vimos para encontrar Esaú em paz, e eis que Jacó vem atrás de nós.

45

E aquilo que está diante de nós é um presente enviado de Jacó a seu irmão Esaú.

46

E, se vos disserem: Por que se deixa atrasar atrás de você, de vir ao encontro de seu irmão e ver seu rosto, então vocês devem dizer-lhes: Certamente, ele vem atrás com alegria de encontrar seu irmão, pois ele disse, vou satisfazê-lo com o presente que preparei para ele, e depois disso vou ver seu rosto, e porventura ele me aceitará.

47

Assim, todo o presente todo passou para as mãos dos seus servos, e foram adiante dele naquele dia, e ele passou aquela noite com os seus campos, junto da fronteira do ribeiro de Jabuk, e ele levantou-se a meio da noite, e ele tomou suas mulheres e servos, suas empregadas, e todos pertencentes a ele, e ele naquela noite passou-os sobre o ribeiro de Jabuk.

48

E quando ele passou todos pertencentes a ele sobre o riacho, Jacó foi deixado por si mesmo, e um homem se encontrou com ele, e ele lutou com ele naquela noite até ao romper do dia, e a juntura da coxa de Jacó foi tocada por lutar com ele.

49

E ao romper do dia, o homem deixou Jacó lá, e abençoou-o e foi embora, e Jacó passou o ribeiro no raiar do dia, e ele parou em cima de sua coxa.

50

O sol levantou sobre ele quando tinha passado o ribeiro, e veio até o local de seu gado e crianças.

51

E foram até o meio-dia, e enquanto eles estavam indo com o presente foi passando adiante deles.

52

E Jacó levantou os olhos e olhou, e eis que Esaú estava a uma distância, vindo juntamente com muitos homens, cerca de 400, e Jacó teve muito medo de seu irmão.

53

E Jacó apressou-se e dividiu os seus filhos a suas esposas e seus servas, e sua filha Dinah ele colocou em uma caixa, e entregou-a nas mãos de seus servos.

54

E ele passou diante de seus filhos e esposas para encontrar seu irmão, e ele se inclinou para o chão, e ele se inclinou sete vezes até que ele se aproximou de seu irmão, e Deus fez Jacó encontrar graça diante de Esaú e seus homens, pois Deus tinha ouvido a oração de Jacó.

55

E o medo de Jacó e seu terror caiu sobre o seu irmão Esaú, porque Esaú tinha muito medo de Jacó pelo o que os anjos de Deus tinham feito a Esaú, e ira de Esaú contra Jacó se tornou em bondade.

56

E, quando Esaú viu Jacó correndo em sua direção, ele também correu em direção a ele, e ele abraçou ele, e ele caiu sobre o seu pescoço, e eles se beijaram e choraram.

57

E Deus colocou medo e bondade para com Jacó nos corações dos homens que vieram com Esaú, e também beijaram Jacó e o abraçaram.

58

E também Elifaz, filho de Esaú, com seus quatro irmãos, filhos de Esaú, choravam com Jacó, e beijaram-no e abraçaram-no, pois o medo de Jacó tinha caído sobre eles todos.

59

E Esaú levantou os olhos e viu as mulheres com seus filhos, os filhos de Jacó, andando atrás de Jacó e curvando-se ao longo da estrada para Esaú.

60

E disse Esaú a Jacó: Quem são estes contigo, meu irmão? São eles os teus filhos ou teus servos? E respondeu Jacó a Esaú e disse: Eles são meus filhos que Deus graciosamente tem dado a teu servo.

61

E, enquanto Jacó estava falando com Esaú e seus homens, Esaú viu todo o acampamento, e ele disse a Jacó: De onde vem que tenha obtido todo o campo que eu encontrei ontem à noite? E Jacó disse Para achar graça aos olhos de meu senhor, isso é o que Deus graciosamente deu a teu servo.

62

E o presente chegara antes de Esaú e Jacó o pressionou, dizendo: Peço-te que aceites o presente que eu trouxe ao meu senhor, e Esaú disse: Porque seria esse o meu propósito? Guarda o que tens para ti mesmo.

63

E Jacó disse, Compete-me dar tudo isso, já que tenho visto o teu rosto, que tu ainda vives em paz.

64

E Esaú recusou aceitar o presente, e Jacó disse-lhe: Rogo-te, meu senhor, se agora tenho achado graça aos teus olhos, aceita o presente da minha mão por que eu tenho preparado, pois vi o teu rosto, como se tivesse visto um rosto de Deus, e te alegras-te comigo.

65

E Esaú tomou o presente, e Jacó também deu a Esaú prata e ouro e obélio.

66

E Esaú dividiu o gado que estava no campo, e ele deu a metade para os homens que tinham vindo com ele, pois eles tinham vindo a soldo, e a outra metade, ele entregou nas mãos de seus filhos.

67

E a prata e ouro e obélio deu nas mãos de Elifaz seu filho mais velho, e Esaú disse a Jacó: Vamos permanecer contigo, e vamos lentamente ao longo do caminho contigo até que venhas a minha casa comigo, para que possamos habitar juntos.

68

E Jacó respondeu seu irmão e disse, eu faria como o meu senhor fala a mim, mas meu senhor sabe que estes filhos são tenros, e os rebanhos com seus jovens que estão comigo, e teremos de ir devagar, pois se eles foram rapidamente todos eles morrerão, pois tu conheces o seu peso e sua fadiga.

69

Portanto, que meu senhor passe adiante de seu servo, e eu irei lentamente por causa das crianças e do rebanho, até que eu volte para a casa de meu senhor em Seir.

70

E disse Esaú a Jacó, vou colocar contigo algumas das pessoas que estão comigo para cuidar de ti na estrada, e levar a tua fadiga e fardo, e ele disse: Não seja assim, meu senhor, se eu achei graça aos teus olhos?

71

E eu irei a ti a Seir habitaremos ali como tu falaste, vai tu, pois, e em seguida te seguirei com meu povo.

72

E Jacó disse isso a Esaú, a fim de demover Esaú e seus homens de irem com ele, para que Jacó depois pudesse ir para a casa de seu pai, para a terra de Canaã.

73

E Esaú ouviu a voz de Jacó e Esaú voltou com os 400 homens que estavam com ele em seu caminho a Seir, e Jacó, e todos pertencentes a ele foram nesse dia até a extremidade da terra de Canaã, em suas fronteiras, e lá permaneceram algum tempo.