O livro de Jasar - Capitulo 34

A perfídia de Siquém. Simeão e Levi vinga a honra de Dinah

1

E o número de todos os homens que foram circuncidados, foi de 645 homens, e 246 crianças.

2

Mas Chiddekem, filho de Pered, o pai de Hamor, e seus seis irmãos, não quiseram ouvir Siquém e seu pai Hamor, e eles não foram circuncidados, pois a proposta dos filhos de Jacó era repugnante à vista deles, eles se enfureceram pelas pessoas da cidade não tirem dado ouvidos a eles.

3

E na noite do segundo dia, eles encontraram oito crianças pequenas que não haviam sido circuncidados, pois suas mães tinham os escondido de Siquém e seu pai Hamor, e dos homens da cidade.

4

E Siquém e seu pai Hamor mandaram trazê-los diante deles, para que fossem circuncidados, quando Chiddekem e seus seis irmãos saltaram para eles com suas espadas, e procuraram feri-los.

5

E ameaçaram matar também Siquém, a seu pai Hamor e Dinah com eles em conta desta questão.

6

E disse-lhes: O que é essa coisa que vocês fizeram? Não existem mulheres entre as filhas de seus irmãos, os cananeus, para que pretendam levar até vós filhas dos hebreus, a quem vós nunca conheceram antes, e vão fazer este acto que nossos pais nunca ordenaram?

7

E se vocês prosperarem nisto que intentam? E o que vão vocês responder neste caso a seus irmãos, os cananeus, que virão amanhã e pedir contas em relação a isso?

8

E se o vosso acto não aparecer justo e bom à sua vista, o que vão fazer para salvar suas vidas,e o que farei eu para salvar nossas vidas, por não o terem dado ouvidos à nossa voz?

9

E se os habitantes da terra e todos os seus irmãos, os filhos de Ham, ouvirem de vosso acto, e disserem.

10

Por conta de uma mulher hebraica fez Siquém e Hamor seu pai, e todos os moradores da sua cidade, rebeldes e conforme ao que seus ancestrais nunca lhes ordenaram, para onde então, vocês vão voar ou onde se esconderão de vossa vergonha, todos seus dias diante de seus irmãos, os habitantes da terra de Canaã?

11

Agora, pois, não podemos suportar-se essa coisa que você fez contra nós, nem também não seremos sobrecarregados com este jugo sobre nós que os nossos antepassados não nos ordenaram.

12

Eis que amanhã iremos e juntaremos todos os nossos irmãos, os irmãos cananeus que habitam a terra com todos nós, para ferir vocês e todos aqueles que confiarem em vocês, de forma que há fique um remanescente deixado de vocês ou deles.

13

E, quando Hamor e Siquém, seu filho e todo o povo da cidade ouviram as palavras de Chiddekem e seus irmãos, eles ficaram com medo de suas palavras e temeram, e eles arrependeram-se do que tinham feito.

14

E Siquém e seu pai Hamor, responderam a seu pai Chiddekem e seus irmãos, e disseram-lhes: Todas as palavras que vocês falaram a nós são verdadeiras.

15

Agora não digam, nem imaginem em vossos corações, que por conta do amor dos hebreus se fez uma coisa que os nossos antepassados não nos ordenaram.

16

Mas, porque vimos que não era sua intenção e vontade de aderir aos nossos desejos sobre tomar a sua filha como nossa, exceto nesta condição, por isso, ouvimos a suas vozes e fizemos esse ato que vocês sabem, a fim de alcançar o nosso desejo da parte deles.

17

E quando tivermos obtido nosso pedido deles, vamos, então, voltar a eles e fizer lhes o que você diz a nós.

18

Nós te suplicamos então, que esperem até nossa carne estar curada e novamente se tornar forte, e nós, então, iremos à uma contra eles, a fazer-lhes o que está nos vossos corações e no nosso.

19

E Dinah, filha de Jacó ouviu todas estas palavras que Chiddekem e seus irmãos tinham falado, e o que Hamor e Siquém, seu filho e as pessoas de sua cidade lhes respondera.

20

E ela se apressou e mandou uma de suas criadas, que seu pai tinha enviado para cuidar dela na casa de Siquém, a Jacó seu pai e seus irmãos, dizendo:

21

Assim fez Chiddekem e seus irmãos se aconselham sobre vocês, e assim fez Hamor e Siquém e as pessoas da cidade a responder-lhes.

22

E Jacó ouviu estas palavras, ficou cheio de ira, e sua ira se acendeu contra eles.

23

E Simeão e Levi jurou e disse: Vive o Senhor, o Deus de toda a terra, que desta vez amanhã, não haverá um remanescente deixado em toda a cidade.

24

E 20 jovens que tinham se ocultado e que não eram circuncidados, lutaram contra Simeão e Levi, e Simeão e Levi mataram 18 deles,e dois deles fugiram e escaparam para alguns poços de cal, que estavam na cidade, e Simeão e Levi procuraram por eles, mas não conseguiram encontrá-los.

25

E Simeão e Levi persistiram em ir de casa na cidade, e mataram todas as pessoas da cidade no fio da espada, e ninguém deixaram.

26

E houve uma grande consternação no meio da cidade, e o grito do povo de da cidade subia ao céu, e todas as mulheres e as crianças gritaram em voz alta.

27

E Simeão e Levi despedaçaram toda a cidade, não deixaram nenhum homem permanecer em toda a cidade.

28

E eles mataram Hamor e Siquém, seu filho, no fio da espada, e eles trouxeram Dinah da casa de Siquém.

29

E os filhos de Jacó foram, e voltaram, e chegaram aos mortos e saquearam todas as suas propriedades, que estavam na cidade e no campo.

30

E enquanto eles estavam tomando o despojo, 300 homens levantaram-se e jogaram o pó para eles e os feriram com pedras, e Simeão voltou-se para eles e matou todos eles ao fio da espada, e Simeão retornou antes de Levi, e foi para a cidade.

31

E eles levaram suas ovelhas e os seus bois e seu gado, e também o restante das mulheres e os pequeninos, e eles levaram tudo com eles, e eles abriram a porta e saíram e vieram a seu pai Jacó.

32

E quando Jacó viu tudo o que tinham feito à cidade, e viu o despojo que tomaram deles, Jacó ficou muito zangado com eles, e Jacó disse-lhes: Que é isto que vocês me fizeram? Eis que obtive descanso entre os habitantes da terra cananeia, e nenhum deles mexeu comigo.

33

E agora você me fizeram odioso aos olhos dos habitantes da terra, entre os cananeus e os perizeus, e eu sou pequeno em número, e todos eles se juntarão contra mim e nos matarão quando ouvirem falar de vosso trabalho, com seus irmãos, e eu e minha casa seremos destruídos.

34

E Simeão e Levi e todos os seus irmãos com eles responderam seu pai Jacó e disseram-lhe: Eis que nós vivemos na terra, e Siquém fez isso para a nossa irmã? Porque te calaste tu em tudo o que Siquém tem feito? E deve ele tratar a nossa irmã como a uma prostituta nas ruas?

35

E o número de mulheres que Simeão e Levi levaram cativas da cidade de Siquém, que eles não mataram, era de 85, que não tinham conhecido homem.

36

E entre eles estava uma jovem donzela de bela aparência e bem favorecida, cujo nome era Bunah, e Simeão tomou-a como mulher, e o número de homens que levaram cativos e não mataram, era de 47 homens, e o resto eles mataram.

37

E todos os homens e mulheres jovens que Simeão e Levi tinham tomado cativos da cidade de Siquém, foram servos dos filhos de Jacó e de seus filhos depois deles, até o dia dos filhos de Jacó saírem da terra do Egito.

38

E, quando Simeão e Levi haviam saído da cidade, os dois jovens que foram deixados, que se ocultaram na cidade, e não morreram entre as pessoas da cidade, levantaram-se, e esses jovens entraram na cidade e caminharam, e encontraram a cidade desolada, sem homens, e cheia de choro das mulheres, e esses jovens gritaram e disseram: Eis que este é o mal que os filhos de Jacó, do hebreu, fizeram a esta cidade, destruindo hoje uma das cidades cananeias, sem nunca terem temido por suas vidas em toda a terra de Canaã.

39

E estes homens saíram da cidade e foram para a cidade de Tapnach, e eles foram lá e disseram aos habitantes de Tapnach tudo o que lhes havia acontecido, e tudo o que os filhos de Jacó tinham feito à cidade de Siquém.

40

E a informação chegou a Jasube rei de Tapnach, e enviou homens para a cidade de Siquém para ver aqueles jovens, pois o rei não acreditava neles neste assunto, dizendo: Como podem dois homens devastar uma cidade tão grande como Siquém?

41

E os mensageiros de Jasube voltaram e disseram-lhe, dizendo: Fomos até a cidade,e ela está destruída, não há um homem ali, só as mulheres chorando, nem há qualquer rebanho ou gado lá, pois tudo o que havia na cidade, os filhos de Jacó levaram.

42

E Jasube espantou-se, dizendo: Como podem dois homens fazer tal coisa, para destruir assim uma cidade grande, e não houve um homem capaz de enfrentá-los?

43

Pois desde os dias de Ninrod que se viu tal coisa, e nem mesmo na mais remota época, se viu como o ocorrido, e Jasube, rei de Tapnach, disse ao seu povo, Sejam corajosos e vamos lutar contra estes hebreus, e fazer-lhes como eles fizeram à cidade,e vamos vingar a causa do povo da cidade.

44

E Jasube, rei de Tapnach, consultou seus conselheiros sobre este assunto, e seus conselheiros disseram-lhe: Não queiras tu sozinho prevalecer sobre os hebreus, pois devem ser poderosos para fazer este trabalho contra toda a cidade.

45

Se dois deles, assolaram a cidade inteira, e ninguém se levantou contra eles, certamente, se tu queres ir contra eles, todos eles vão se levantar contra nós para nos destruir na mesma.

46

Mas, se tu queres, apela para todos os reis que nos cercam, até que eles estejam unidos, então nós iremos com eles e lutaremos contra os filhos de Jacó, e tu prevalecerás contra eles.

47

E Jasube ouviu as palavras de seus conselheiros, e as palavras agradaram a ele, e assim ele fez, e Jasube rei de Tapnach apelou para todos os reis dos amorreus, que são vizinhos de Siquém e Tapnach, dizendo:

48

Subam comigo e me ajudem, e vamos ferir Jacó, o hebreu e todos os seus filhos, e destruí-los da face da terra, pois assim eles fizeram à cidade de Siquém, e você não sabem disso?

49

E todos os reis dos amorreus, ouviram o mal que os filhos de Jacó haviam feito à cidade de Siquém, e eles ficaram muito impressionados com eles.

50

E os sete reis dos amorreus, juntaram todos os seus exércitos, cerca de 10 mil homens com espadas desembainhadas, e vieram para lutar contra os filhos de Jacó, e Jacó ouviu que os reis dos amorreus, se reuniram para lutar contra seus filhos, e Jacó ficou muito medo e angustiado.

51

E Jacó exclamou contra Simeão e Levi, dizendo; que é este isto que vocês fizeram? Porque vocês me feriram, para trazer contra mim todos os filhos de Canaã, para destruir a mim e a minha casa? Pois eu estava em repouso, eu e também minha família, e vocês fizeram isso comigo, e provocaram os habitantes da terra contra mim com vosso ato.

52

E Judá respondeu a seu pai, dizendo: Foi em vão que meus irmãos Simeão e Levi mataram todos os habitantes de Siquém? Certamente que não, porque Siquém havia humilhado a nossa irmã, e transgrediu o mandamento que nosso Deus deu a Noé e seus filhos, pois Siquém tomou a nossa irmã pela força, e cometeu adultério com ela.

53

E Siquém fez todo esse mal, e nenhum dos habitantes de sua cidade contendeu com ele, dizendo; Por que queres fu fazer isso? Certamente por causa disto meus irmãos foram e feriram a cidade, e o Senhor a entregou em suas mãos, porque os seus habitantes tinham transgredido as ordens do nosso Deus. É então por nada que eles têm feito tudo isso?

54

E agora, por que tens medo ou te angustias, e porque estas tu descontente com meus irmãos, e porque é que a tua ira se acendeu contra eles?

55

Certamente, Deus nosso, que entregou em sua mão a cidade de Siquém e de seu povo, Ele vai também entregar em nossas mãos todos os reis cananeus que estão vindo contra nós, e nós fazemos-lhes como meus irmãos fizeram a Siquém.

56

Agora fica tranquilo sobre eles e joga fora teus medos, mas confia no Senhor, nosso Deus, e orai a Ele para nos ajudar e nos livrar, e entregar nossos inimigos em nossas mãos.

57

E Judá chamou um dos servos de seu pai; Vai agora e vê onde os reis que estão vindo contra nós, estão acampados com os seus exércitos.

58

E o servo foi e olhou de longe, e subiu em frente ao Monte Siom, e viu tudo os campos dos reis que estavam nos campos, e ele voltou a Judá e disse: Eis que os reis estão situados no campo com todos os seus campos, um povo muito numeroso, como a areia na praia do mar.

59

Então disse Judá a Simeão e Levi, e a todos os seus irmãos; sejam valentes e filhos de valor, pois o Senhor nosso Deus é conosco, não tenham medo deles.

60

Fique firme cada homem cingido, com as suas armas de guerra, seu arco e sua espada, e vamos e lutemos contra estes homens não circuncidados, e o Senhor é nosso Deus, Ele nos livrará.

61

E levantaram-se, cada um cingido com suas armas de guerra, grandes e pequenos, 11 filhos de Jacó, e todos os servos de Jacó com eles.

62

E todos os servos de Isaac que estavam com Isaac, em Hebrom, veio a eles equipados com todos os tipos de instrumentos de guerra, e os filhos de Jacó e seus servos, sendo 112 homens, foram para encontrar estes reis, e Jacó também foi com eles.

63

E os filhos de Jacó enviaram a seu pai Isaac, filho de Abraão, em Hebrom, e Kireath-Arba, dizendo:

64

Ore, nós te pedimos, por nós ao Senhor nosso Deus, para nos proteger das mãos dos Cananeus, que estão vindo contra nós, e para entregá-los em nossas mãos.

65

E Isaac, filho de Abraão orou ao Senhor por seus filhos, e disse: Ó Senhor Deus, tu prometeste a meu pai, dizendo: Eu multiplicarei a tua descendência como as estrelas do céu, e Tu também me prometeste, e ouvimos a tua palavra, e agora eis que os reis de Canaã estão vindo juntos, para fazer a guerra com os meus filhos, porque eles não provocaram esta violência.

66

Agora, pois, ó Senhor Deus, o Deus de toda a terra, destrói, peço-te, o conselho desses reis para que eles não possam lutar contra meus filhos.

67

E espanta os corações destes reis e seus povos com o terror dos meus filhos e derruba o seu orgulho, e que elas se retirem para longe dos meus filhos.

68

E com tua mão poderosa e braço estendido livra meus filhos e os que estão juntos, deles, pois força e poder estão em tuas mãos para fazer tudo isso.

69

E os filhos de Jacó e de seus servos, avançaram para estes reis, e eles confiavam no Senhor, seu Deus, e enquanto eles estavam indo, Jacó, seu pai também orou ao Senhor e disse: Ó Senhor Deus, Deus poderoso e exaltado, que reina desde os dias da antiguidade, até agora e para sempre;

70

Tu és O que faz as guerras e as faz cessar, na tua mão está o poder de exaltar e humilhar, que a minha oração possa ser aceitável diante de ti que tu me acolhas com tuas misericórdias, para espantar os corações destes reis e seus povos com o terror de meus filhos, e aterrorizá-los em seus campos, e com a tua grande bondade, livra aqueles que depositam em ti toda a sua confiança, pois tu és quem podes entrega-los a nós e reduzir nações debaixo nosso poder.