O livro de Jasar - Capitulo 37

Jacó retorna para Siquém

1

E no ano 105 da vida de Jacó, ao nono ano que Jacó fez habitação com seus filhos na terra de Canaã, ele vinha de Padã-Arã.

2

E naqueles dias, Jacó partiu com seus filhos de Hebron, e foram, e voltaram para a cidade de Siquém, eles e todos pertencentes a eles, e habitaram ali, pois os filhos de Jacó tinham obtido pastagens e gordura boa para o gado na cidade de Siquém, e a cidade de Siquém tinha então sido reconstruída, e havia nela cerca de 300 homens e mulheres.

3

E Jacó e seus filhos e todos os que habitaram com eles na parte do campo que Jacó tinha comprado de Hamor, pai de Siquém, quando veio de Padã-Arã, antes de Simeão e Levi ferirem a cidade.

4

E todos os reis dos cananeus e amorreus que cercavam a cidade de Siquém, ouviram dizer que os filhos de Jacó novamente vieram a Siquém e habitaram ali.

5

E eles disseram: Porventura os filhos de Jacó, o hebreu, podem novamente vir para a cidade e habitar aí, depois que de matarem seus habitantes e expulsá-los? Hão de agora retornar e também expulsar os que estão habitando na cidade ou matá-los?

6

E todos os reis de Canaã novamente reuniram-se, para fazer guerra a Jacó e seus filhos.

7

E Jasube rei de Tapnach enviou também a todos os seus reis vizinhos, ao rei Elan de Gaash, e Ihuri rei de Shiloh, e Parathon rei de Cházar, e Susi rei de Sarton, e para Laban rei de Bethchoran, e Shabir rei de Othnay-mah, dizendo:

8

Venha até mim e me ajudem, e vamos ferir Jacó, o hebreu, e seus filhos, e tudo que pertença a ele, pois eles novamente vieram a Siquém para possuí-la e matar os seus habitantes como antes.

9

E todos os reis se reuniram e vieram com todos os seus arraiais, um povo extremamente abundante como a areia na praia do mar, e eles estacionaram todos em frente a Tapnach.

10

E Jasube rei de Tapnach saiu a eles com todo o seu exército, e ele acampou com eles em frente a Tapnach, fora da cidade, e todos esses reis dividiram-se em sete divisões, sendo sete arraiais contra os filhos de Jacó.

11

E enviaram uma mensagem para Jacó e seus filhos, dizendo: compareçam diante de nós juntos na planície, para que possamos encontrar-nos face a face e vingarmos a causa dos homens de Siquém a quem mataram em sua cidade, à qual voltaram novamente para ela, para matarem seus habitantes como antes.

12

E os filhos de Jacó ouviram isso e sua ira se acendeu sobremaneira com as palavras dos reis de Canaã, e 10 dos filhos de Jacó apressaram-se e levantaram-se, e cada um deles se cingiu com suas armas de guerra, e 102 de seus servos foram com eles equipados em ordem de batalha.

13

E todos estes homens, filhos de Jacó com seus servos, foram em direção a estes reis, e Jacó, seu pai estava com eles, e todos eles, estavam sobre o monte de Siquém.

14

E Jacó orou ao Senhor por seus filhos, e ele estendeu as mãos ao Senhor, e disse: Ó Deus, tu és O Deus Todo-Poderoso, tu és nosso Pai, tu nos formaste e nós somos obras das tuas mãos; peço-te que livres meus filhos pela tua misericórdia da mão de seus inimigos, que estão hoje próximos de lutar com eles e salva-os da sua mão, pois na tua mão há força e poder, para salvar os poucos de muitos.

15

E dá a meus filhos, teus servos, a força do coração e possam eles lutar com os seus inimigos, não para subjuga-los, mas para fazer seus inimigos cair diante deles, e livra meus filhos e seus servos de morrerem pelas mãos dos filhos de Canaã.

16

Mas, se te parecer bem aos teus olhos tirar a vida dos meus filhos e os seus aliados, leva-os em tua grande misericórdia, através das mãos de teus ministros, para que não se percam pelas mãos dos reis dos amorreus.

17

E quando Jacó cessou de orar ao Senhor a terra tremeu de seu lugar, e o sol escureceu, e todos esses reis estavam aterrorizados e uma grande consternação se apoderou deles.

18

E o Senhor ouviu a oração de Jacó, e o Senhor espantou os corações de todos os reis e seus exércitos com o terror e espanto dos filhos de Jacó.

19

Porque o Senhor fez com que eles ouvissem a voz de carros, e a voz de cavalos poderosos dos filhos de Jacó, e a voz de um grande exército que os acompanhava.

20

E estes reis foram acometidos com grande espanto pelos os filhos de Jacó, e enquanto eles estavam de pé em suas fileiras, eis que os filhos de Jacó avançaram sobre eles, com 112 homens, numa gritaria grande e tremenda.

21

E quando os reis viram os filhos de Jacó, avançando em direção a eles, eles ficaram ainda com mais pânico, e eles pensaram em se retirar de diante dos filhos de Jacó, como no início, e não lutar com eles.

22

Mas eles não se retiraram, dizendo: Seria uma vergonha para nós, portanto, duas vezes nos retirarmos diante dos hebreus.

23

E os filhos de Jacó aproximaram-se e avançaram contra todos esses reis e seus exércitos, e viram, e eis que era um povo muito poderoso, numeroso como a areia do mar.

24

E os filhos de Jacó clamaram ao Senhor e disseram: Ajuda-nos, Senhor, e responde-nos, pois nós confiamos em ti, e não nos deixes morrer pelas mãos dos homens não circuncidados, que neste dia vieram contra nós.

25

E os filhos de Jacó cingidos ecoaram suas armas de guerra, tomaram em suas mãos cada homem, o seu escudo e sua lança, e aproximaram-se para a batalha.

26

Judá, filho de Jacó, correu antes de seus irmãos, e dez dos seus servos com ele, e foi em direção a esses reis.

27

E Jasube, rei de Tapnach, também saiu primeiro com seu exército diante de Judá, e Judá viu Jasube e seu exército que vinha para ele, e a ira de Judá se acendeu, e sua raiva ardia dentro dele, e ele se aproximou na batalha e Judá arriscou sua vida.

28

E Jasube e todo o seu exército foram avançando em direção a Judá, e ele estava andando em cima de um cavalo muito forte e poderoso, e Jasube era um homem muito valente, e coberto com ferro e de bronze da cabeça aos pés.

29

E enquanto ele estava sobre o cavalo, ele disparou flechas com as duas mãos, como era seu jeito em todas as suas batalhas, e ele nunca tinha errado o lugar para o qual ele visava suas flechas.

30

E quando Jasube veio para lutar com Judá, e foi lançando muitas flechas contra Judá, O Senhor transtornava a mão de Jasube, e todas as setas que ele atirava voltavam-se contra os seus próprios homens.

31

E, apesar disso, Jasube continuou a avançar em direção a Judá, para desafiá-lo com as flechas, mas a distância entre eles era de cerca de 30 côvados, e quando Judá viu Jasube arremessando suas flechas contra ele, ele correu para ele inspirado por seu poder e ira.

32

E Judá tomou uma grande pedra do chão, e seu peso era 60 siclos, correu em direção Jasube e com a pedra o atingiu em seu escudo, e ficou Jasube atordoado com o golpe, e caiu de seu cavalo para o chão.

33

E o escudo rebentou da mão de Jasube, e através da força do golpe foi arrematado cerca de 15 côvados de distância, e o escudo caiu diante do segundo acampamento.

34

E os reis que vieram com Jasube viram a distância e a força de Judá, filho de Jacó, e que ele tinha feito a Jasube, e eles ficaram com muito medo de Judá.

35

E permaneceram perto do acampamento, e vendo a confusão, Judá sacou a espada e feriu a 42 homens do acampamento de Jasube, e de todo o arraial de Jasube fugiu diante de Judá, e ninguém ficou contra ele, e eles deixaram Jasube e fugiram dele, e Jasube ainda estava prostrado no chão.

36

E Jasube vendo que todos os homens de seu acampamento haviam fugido dele, apressou-se e levantou-se com o terror contra Judá, e ficou de pé em cima de suas pernas em frente à Judá.

37

E Jasube ficou só no combate com Judá, colocando em posição seu escudo protetor, e homens de Jasube fugiram, pois estavam com muito medo de Judá.

38

E Jasube tomou sua lança na mão para atacar Judá sobre sua cabeça, mas Judá rapidamente colocou seu escudo sobre sua cabeça contra a lança de Jasube, de modo que o escudo de Judá recebeu o golpe de lança de Jasube, e o escudo se partiu.

39

E, quando viu Judá que o escudo se partiu, ele rapidamente tirou a espada e feriu Jasube em seus tornozelos, e cortando-lhe os pés e Jasube caiu no chão, e a lança caiu de sua mão.

40

E Judá pegou a lança Jasube, com a qual ele cortou sua cabeça e lançando-a para o lado de seus pés.

41

E quando os filhos de Jacó viram o que Judá tinha feito a Jasube, todos eles correram para as fileiras dos outros reis, e os filhos de Jacó lutaram com o exército de Jasube, e os exércitos de todos os reis que estavam lá.

42

E os filhos de Jacó fizeram 15 mil de seus homens caírem, e os feriram como se ferissem cabaças, e os restantes fugiram para salvar suas vidas.

43

E Judá ainda estava perto do corpo de Jasube e ele despiu Jasube de sua malha de combate.

44

E Judá também tirou o ferro e bronze de Jasube, e eis que nove homens dos chefes de Jasube vieram para lutar contra Judá.

45

E Judá apressou-se e pegou uma pedra do chão, e com ela feriu um deles na cabeça, e seu crânio foi fraturado, e também o corpo caiu do cavalo para o chão.

46

E os oito capitães que permaneceram, vendo a força de Judá, tiveram muito medo e fugiram, e Judá, com seus dez homens os perseguiu, e alcançou-os e os matou.

47

E os filhos de Jacó, foram ainda ferir os exércitos dos reis, e eles mataram muitos deles, mas os reis ousadamente mantiveram suas posições com seus capitães, e não recuaram de seus lugares, e exclamaram contra aqueles de seus exércitos que fugiram de diante dos filhos de Jacó, mas nenhum quis ouvir, porque eles tinham medo por suas vidas para que não morressem.

48

E todos os filhos de Jacó, depois de ter ferido os exércitos dos reis, voltaram e vieram diante de Judá, e Judá ainda estava matando os oito capitães de Jasube, e tirando o seu vestuário.

49

E viu Levi que Elon, rei de Gaás, vinha avançando em direção a ele, com seus 14 capitães para feri-lo, mas Levi esperou para agir.

50

E Elon com seus capitães se aproximaram mais de perto, e Levi olhou para trás e viu que a batalha apertava por trás de Judá, e Levi correu com 12 dos seus servos, e eles foram e mataram Elon e seus capitães ao fio da espada.