O livro de Jasar - Capítulo 41

Os sonhos de José

1

E no final desse ano, os filhos de Jacó partiram de Siquém, e eles chegaram a Hebron, a seu pai Isaac, e habitaram ali, mas seus rebanhos e manadas eles alimentavam diariamente em Siquém, pois não havia ali naqueles dias bons pastos, e Jacó e seus filhos e toda a casa habitaram no vale de Hebron.

2

E foi naqueles dias, daquele ano, sendo o ano 106 da vida de Jacó, no décimo ano de Jacó ter vindo de Padã-Arã, que Lia, mulher de Jacó morreu, e ela tinha 51 anos de idade, e morreu, em Hebron.

3

E Jacó e seus filhos a enterraram na cova do campo de Macpela, que está em Hebron, que Abraão tinha comprado dos filhos de Hete, para a posse de um lugar de enterro.

4

E os filhos de Jacó habitaram com seu pai no vale de Hebron, e todos os moradores da terra sabiam de sua força e sua fama que correra por toda a terra.

5

E José, filho de Jacó, e seu irmão Benjamim, os filhos de Raquel, mulher de Jacó, eram ainda jovens, e não saíram com seus irmãos durante as suas batalhas nas cidades dos amorreus.

6

Quando José viu a força de seus irmãos, e sua grandeza, ele elogiou-os e exaltou-os, mas ele classificou-se maior do que eles, e exaltou-se acima deles, e Jacó, seu pai, também o amava mais do que qualquer um de seus filhos, pois ele era um filho de sua velhice, e através de seu amor por ele, fez-lhe uma túnica de várias cores.

7

E, quando José viu que seu pai o amava mais do que seus irmãos, ele continuou a exaltar-se acima de seus irmãos, e ele trazia a seu pai maus relatos a respeito de seus irmãos.

8

E os filhos de Jacó vendo toda a conduta de José em relação a eles, e que o seu pai o amava mais do que a todos eles, odiaram-no e não podiam falar-lhe pacificamente todos os dias.

9

José tinha dezessete anos, e exaltava-se diante de seus irmãos, e pensou em elevar-se acima deles.

10

Naquela época, ele teve um sonho, e ele veio a seus irmãos e disse-lhes seu sonho, e ele disse-lhes: Eu sonhei um sonho, e eis que estavam todos atando molhos em um campo, e meu feixe se levantou e colocou-se sobre a terra e seus molhos o cercavam e inclinavam se para ele.

11

E seus irmãos, respondeu-lhe e disse-lhe: Que quer dizer esse sonho que tu sonhaste? Que tu imaginas em teu coração em reinar ou governar sobre nós?

12

E ele ainda veio, e disse a coisa a seu pai Jacó, e ele beijou José quando ouviu estas palavras da sua boca, e Jacó abençoou José.

13

E quando os filhos de Jacó viram que seu pai o havia abençoado a José e tinha beijado ele, e que ele o amava muito, ficaram com ciúmes dele e o odiaram ainda mais.

14

Depois disto, José relatou outro sonho e o relatou a seu pai na presença de seus irmãos, e José disse a seu pai e irmãos, eis que novamente tive um sonho, e eis que o sol, a lua e as onze estrelas se inclinavam para mim.

15

E o seu pai, ouviu as palavras de José e seu sonho, e vendo que seus irmãos odiavam José por conta dessa matéria, Jacó repreendeu a José diante de seus irmãos por conta dessa coisa, dizendo: Que quer dizer este sonho que tiveste, estás ampliando-te perante os teus irmãos, que são mais velhos do que tu?

16

Tu imaginas no teu coração que eu e tua mãe e teus onze irmãos viremos a inclinar diante de ti, paro que falas que tu estas coisas?

17

E seus irmãos tinham inveja dele por conta de suas palavras e sonhos, e eles continuaram a odiá-lo, e Jacóguardava os sonhos em seu coração.

18

E os filhos de Jacó foram um dia a alimentar o rebanho de seu pai em Siquém, pois eram pastores ainda naqueles dias, e enquanto os filhos de Jacó apascentavam em Siquém, eles se atrasaram, e a hora de recolher o gado chegou e eles não tinham regressado.

19

E Jacó viu que seus filhos estavam atrasados em Siquém, e Jacó disse para consigo: Porventura o povo de Siquém se levantou para lutar contra eles, pois eles se atrasaram neste dia.

20

E Jacó chamou seu filho José e ordenou-lhe, dizendo: Eis que teus irmãos estão apascentando em Siquém neste dia, e eis que ainda não voltaram; vai agora, pois, e vê onde eles estão, e traz-me de volta notícias sobre o bem-estar dos teus irmãos e o bem-estar do rebanho.

21

E Jacó enviou seu filho José para o vale de Hebrom, e José veio a seus irmãos em Siquém, e não conseguia encontrá-los, e José subiu sobre o campo, que estava perto Siquém, para ver onde seus irmãos haviam se dirigido, e ele se perdeu no seu caminho no deserto, e não sabia para que lado deveria ir.

22

E um anjo do Senhor o encontrou vagando na estrada em direção ao campo, e José disse ao anjo do Senhor; Estou procurando meus irmãos; tu não ouviste dizer onde estão apascentando? E o anjo do Senhor disse a José: Eu vi teus irmãos apascentando aqui, e eu ouvi dizer que iriam se apascentar em Dotã.

23

E José ouviu a voz do anjo do Senhor, e ele foi a seus irmãos em Dotã e ele os achou em Dotã alimentando o rebanho.

24

E José avançou para seus irmãos, e antes que ele tivesse chegado a eles, eles resolveram matá-lo.

25

E Simeão disse a seus irmãos: Eis aqui o homem dos sonhos, está chegando a nós neste dia, e agora, portanto, virá e vamos matá-lo e lançá-lo em um dos poços que estão no deserto, e quando seu pai o procurar de nós, vamos dizer que uma besta-fera o devorou.

26

Mas Rúben, ouvindo as palavras de seus irmãos sobre José disse lhes: Vocês não devem fazer isso, pois como poderemos olhar para o nosso pai Jacó? Lançai-o neste poço para morrer ali, mas não estendam uma mão sobre ele para derramar seu sangue, e Rúben disse isso, a fim de livrá-lo de suas mãos, para trazê-lo de volta para seu pai.

27

E, quando José chegou a seus irmãos, ele se sentou diante deles, e eles se levantaram sobre ele e agarraram-no e feriram-no lançando-o para a terra, e tiraram o casaco de muitas cores que ele vestia.

28

E tomaram e lançaram-no na cova, e no poço não havia água, mas serpentes e escorpiões. E José estava com medo das serpentes e escorpiões que estavam no poço. E José gritou em alta voz, e o Senhor escondeu os serpentes e escorpiões nas laterais o poço, e eles não fizeram mal a José.

29

E clamou José para fora do poço a seus irmãos, e disse-lhes: O que eu fiz a vós, e em que pequei? Por que não temem o Senhor a meu respeito? Não sou eu de seus ossos e carne, e não é Jacó seu pai, o meu pai? Por que vocês fazem isso a mim neste dia, e como vocês vão ser capazes de olhar para o nosso pai Jacó?

30

E continuou a gritar e a chamar a seus irmãos, e ele disse, ó Judá, Simeão e Levi, irmãos meus, me levantem do lugar de trevas em que vocês me colocaram, e venham para que tenham compaixão de mim, ó filhos do Senhor e filhos de Jacó, meu pai. E se eu pequei contra vós, não são vocês os filhos de Abraão, Isaac, e Jacó? Se eles viram um órfão e tiveram compaixão por ele, ou um que estava com fome, e deram-lhe pão para comer, ou um que estava com sede, e deram-lhe água para beber, ou um que estava nu, e o cobriram com vestes!

31

E como então vocês irão reter vossa piedade de seu irmão, porque eu sou da vossa carne e ossos, e se eu pequei contra vós, certamente vocês vão fazer isso por causa do meu pai!

32

E José disse estas palavras do poço, e seus irmãos não podiam ouvi-lo, nem inclinar seus ouvidos para as palavras de José, e José estava chorando e chorando na cova.

33

E José disse: Oh, que o meu pai saiba hoje, o ato que meus irmãos têm feito a mim, e as palavras que eles têm hoje falado contra mim.

34

E todos os seus irmãos ouviram seus gritos e choro no poço, e seus irmãos foram e retiraram-se da cova, para que eles não pudessem ouvir os gritos de José e sua voz chorando na cova.