O livro de Jasar - Capitulo 42

José e vendido como escravo

1

E eles se foram e se sentaram no lado oposto, à distância de um tiro de arco, e eles sentaram-se para comer pão, e enquanto eles estavam comendo, eles formaram juntamente conselho do que seria feito com ele, se matá-lo ou levá-lo de volta para seu pai.

2

Eles estavam formando conselho, e quando eles levantaram os olhos, e viram, e eis que uma companhia de ismaelitas vinha à distância, pela estrada de Gileade, indo para o Egito.

3

E Judá disse-lhes: Que ganho será para nós se matarmos nosso irmão? Porventura Deus não vai cobrar isso de nós? Este é, então, o conselho a respeito dele, que se deve fazer-lhe: Eis que esta companhia de ismaelitas desce para o Egito.

4

Agora, pois, vamos nos livrar-nos dele com eles, e não seja nossa mão sobre ele, e eles vão levá-lo junto com eles, e ele vai se perder entre os povos da terra, e nós não iremos matá-lo com nossas próprias mãos. E a proposta agradou a seus irmãos e eles fizeram conforme a palavra de Judá.

5

E enquanto eles estavam pensando sobre este assunto, e antes que a companhia de ismaelitas houvesse chegado até eles, sete comerciantes de Midiã passaram por eles, e enquanto passavam, eles estavam com sede, e eles levantaram os olhos e viram o buraco em que José estava emparedado, e eles olharam, e eis que toda a espécie de ave estava sobre ele.

6

E estas midianitas correram para o poço para beber água, pois pensaram que ele continha água, e dirigindo-se ao poço eles ouviram a voz de José chorando na cova, e eles olharam para dentro do poço, e eles viram e ei s que era um jovem de bela aparência e favorecido.

7

E chamaram-lhe e disseram: Quem és tu e quem te trouxe para cá, e quem te colocou neste poço, aqui no deserto? E todos eles ajudaram a levantar José e eles puxaram-no para fora, e trouxeram-no da cova, e levaram-no e partiram em sua viagem e passaram por seus irmãos.

8

E estes lhes disseram: Por que você fazem isso, para tirar para fora o nosso servo? Certamente que colocamos este jovem no poço porque se rebelou contra nós, e vocês vem e o tiram e levam-no embora, agora pois, devolvam-nos o nosso servo.

9

E os midianitas responderam e disseram aos filhos de Jacó, É este o vosso servo, ou este homem vos dirige? Porventura serão vocês todos os servos dele, pois ele é mais formoso favorecido do que qualquer um de vocês, e por que todos falam falsamente a nós?

10

Agora, portanto, não vamos ouvir as vossas palavras, nem assistir a vocês, pois encontramos o jovem no poço no deserto, e nós o levamos, vamos, portanto, seguir em frente.

11

E todos os filhos de Jacó aproximaram-se e levantaram-se para eles e disseram-lhes: Devolvam-nos o nosso servo, e por que todos vocês morrerão pelo fio da espada? E os midianitas gritaram contra eles, e eles sacaram suas espadas, e aproximaram-se para lutar com os filhos de Jacó.

12

E eis que Simeão levantou-se de seu assento contra eles, e saltou do chão e desembainhou a espada e se aproximou dos midianitas, e ele deu um grito terrível diante deles, de modo que o seu grito foi ouvido à distância, e a terra tremeu dos gritos de Simeão.

13

E os midianitas estavam aterrorizados por conta de Simeão e do som do seu grito, e eles caíram sobre os seus rostos, e ficaram excessivamente alarmados.

14

E Simeão disse-lhes: Em verdade eu sou Simeão, filho de Jacó, do hebreu, que com o meu irmão, destruímos a cidade de Siquém, e as cidades dos amorreus, e assim fará Deus através de mim, a todos os teus irmãos, do povo de Midiã, como se fez também aos reis de Canaã, que vieram antes e eles não puderam lutar contra mim.

15

Agora, pois, dá-nos de volta o jovem que tomaram, para que não entreguemos a vossa carne para as aves do céu e para os animais da terra.

16

E os midianitas ficaram com mais medo de Simeão, e eles se aproximaram dos filhos de Jacó com terror e medo, e com palavras pacíficas, dizendo:

17

Certamente vocês já disseram que o jovem é o teu servo, e que ele se rebelou contra vocês, e, portanto, colocaram-o no abismo, o que então vocês vão fazer com um servo que é rebelde contra seu mestre? Agora, portanto, vendam-o para nós, e nós vamos dar-vos tudo o que pedirem por ele, mas do Senhor vinha isto, a fim de que os filhos de Jacó, não matassem seu irmão.

18

E os midianitas viram que José era de uma aparência atraente e bem favorecido, e eles puseram em seus corações e era urgente comprá-lo de seus irmãos.

19

E os filhos de Jacó ouviram dos midianitas e eles venderam seu irmão José por vinte moedas de prata, e Ruben não estava com eles, e os midianitas levaram José e continuaram sua jornada para Gileade.

20

Eles estavam indo ao longo da estrada, e os midianitas arrependeram-se do que tinham feito, em ter comprado o jovem, e um disse para o outro, que é essa coisa que temos feito, ao tomar este jovem dos hebreus, que é de aparência atraente e bem favorecido.

21

Talvez esse jovem seja roubado da terra dos hebreus, e por que então temos feito esta coisa? E se ele estiver sendo procurado e o encontrarem em nossas mãos, vamos todos morrer por causa dele.

22

Certamente que homens resistentes e poderosos o venderam para nós, a força de um dos quais vocês viram este dia, talvez eles o roubaram de sua terra com a sua força e com o seu poderoso braço, e, por isso, venderam-nos pelo pequeno valor que demos a eles.

23

E enquanto estavam assim discursando juntos, eles olharam, e eis que a companhia de Ismaelitas que os filhos de Jacó avistaram em primeiro lugar, estava avançando para os midianitas, e os midianitas disseram uns aos outros: Vinde, vamos vender esse jovem para a companhia de ismaelitas que estão vindo em nossa direção, e vamos tomar dele o pouco que nós demos por ele, e seremos livres desse mal.

24

E eles o fizeram, e chegaram aos ismaelitas, e os midianitas venderam José para os ismaelitas por vinte moedas de prata que tinham dado por ele a seus irmãos.

25

E os midianitas seguiram o seu caminho para a Gileade, e os ismaelitas levaram José e eles o colocaram em cima de um dos camelos, e eles o levavam para o Egito.

26

E José ouviu que o ismaelitas prosseguiam para o Egito, e José lamentou e chorou disso, de que ele estava indo para longe da terra de Canaã, a partir de seu pai, e ele chorou amargamente enquanto ele estava andando em cima do camelo, e um de seus homens observou ele, e fê-lo descer do camelo e andar a pé, e ainda assim, José continuou a chorar e chorar, e disse: Ó meu pai, meu pai.

27

E um dos ismaelitas se levantou e feriu José na bochecha, e ele ainda continuou a chorar, e José estava cansado da estrada, e foi incapaz de prosseguir em conta a amargura de sua alma, e todos eles feriram e o afligiram na estrada e o aterrorizaram para que deixasse de chorar.

28

E o Senhor viu a aflição de José e seu problema, e o Senhor trouxe fez descer sobre aqueles homens escuridão e confusão, e a mão de cada um que o feriu se tornou atrofiada.

29

E disseram uns aos outros: Que é isto que Deus nos tem feito na estrada? E eles não sabiam que isto se abateu sobre eles por conta de José. E os homens prosseguiram na estrada, e eles passaram ao longo da estrada de Efrata onde Raquel fora enterrada.

30

E José chegou à sepultura de sua mãe, e correu para a sepultura de sua mãe, e caiu sobre o túmulo e chorou.

31

E José gritou em voz alta sobre o túmulo de sua mãe, e disse: Ó minha mãe, minha mãe, Ó tu que fizeste nascer, acorda agora, e sobe a ver o teu filho, como ele foi vendido para escravo, e ninguém tem dó dele.

32

O sobe e vê o teu filho, chora comigo por causa dos meus problemas, e vê o coração de meus irmãos.

33

Desperta minha mãe, desperta, acorda do teu sono por mim, e batalha contra meus irmãos. Oh, como me tiraram o meu casaco, e me venderam já duas vezes como escravo, e separaram-me do meu pai, e não háninguém que tenha pena de mim.

34

Desperta e coloca a tua causa contra eles diante de Deus, e vê quem Deus vai justificar no julgamento, e a quem vai condenar.

35

Levanta-te, ó minha mãe, ergue-te, desperta do teu sono e vê meu pai como sua alma está para comigo neste dia, e consola-o e anima o seu coração.

36

E José continuou a falar essas palavras, e José gritou e chorou amargamente sobre o túmulo de sua mãe, e ele parou de falar, e com a amargura de coração, ele se tornou como uma pedra sobre o túmulo.

37

E José ouviu uma voz que lhe falava de debaixo da terra, que lhe respondeu: com amargura de coração, e com uma voz de choro e orando com estas palavras:

38

Meu filho, José, eu ouvi a voz do teu choro e a voz de tuas lamentações; e vi as tuas lágrimas; Conheço as tuas angústias, meu filho, e isso me entristece porque o teu pesar grande e abundante é adicionado à minha dor.

39

Agora, pois, meu filho, meu filho José, espero no Senhor, e aguarda por Ele e não tenhas medo, porque o Senhor é contigo, Ele te livrará de todos os problemas.

40

Levanta-te meu filho, desce para o Egito com teus senhores, e não tenhas medo, porque o Senhor estácontigo, meu filho. E ela continuou a falar palavras semelhantes a estas a José.

41

E José, ouvindo isto, ele se espantou muito com isso, e ele continuou a chorar, e após isto, um dos ismaelitas observou ele chorando e chorando em cima do túmulo, e sua ira se acendeu contra ele, e ele o levou de lá, e ele o feriu e o amaldiçoou.

42

E José disse aos homens, Que eu ache graça aos vossos olhos para me levarem de volta para minha casa a meu pai, e ele vos dará abundância de riquezas.

43

Responderam-lhe eles, dizendo: Não és tu um escravo, e onde está o teu pai? E se tu tivesses um pai, tu não terias sido vendido já duas vezes por escravo por tão pouco valor; e sua raiva foi ainda maior contra ele, e eles continuaram a espancar ele para o castigarem, e José chorou amargamente.

44

E o Senhor viu a aflição de José, e Senhor feriu novamente estes homens, e castigou eles, e o Senhor fez com que a escuridão envolvesse eles sobre a terra, e os relâmpagos brilharam e o trovão rugiu, e a terra tremeu com a voz do trovão e do vento forte, e os homens ficaram apavorados e não sabiam onde eles deviam ir.

45

E os animais e camelos pararam, e eles levaram os, mas eles não quiseram ir, eles feriu os, mas eles se agacharam no chão, e os homens disseram uns aos outros: O que Deus nos tem feito? Quais são as nossas transgressões, e quais são os nossos pecados que esta coisa, assim, nos sobrevieram?

46

E um deles respondeu, e disse-lhes: Talvez seja por causa do pecado com que afligem este escravo tem essa coisa acontecido neste dia para nós, agora, portanto, implorem-lhe fortemente para que nos perdoe, e então saberemos porque sucede este mal a nós, e se Deus tiver compaixão por nós, então saberemos que tudo vem a nós por conta do pecado de que afligimos este escravo.

47

E os homens assim o fizeram, e eles suplicaram a José e pressionaram o para perdoá-los, e eles disseram: Pecamos contra o Senhor e contra ti, pois agora vimos para te solicitar de teu Deus que ele repudie a morte de entre nós, porque pecamos contra ele.

48

E José fez de acordo com suas palavras, e o Senhor ouviu a José, e o Senhor afastou a praga com que Ele havia infligido a esses homens por conta de José, e os animais se levantaram do chão e os conduziram, e continuaram, e a fúria da tempestade amainou e a terra tornou-se tranquila, e os homens prosseguiram em sua viagem para ir para o Egito, e os homens sabiam que este mal lhes havia acontecido por conta de José.

49

E disseram uns aos outros: Eis que nós sabemos que foi por causa de sua aflição que este mal se abateu sobre nós, agora, pois, por que haveremos de levar essa morte sobre nossas almas? Retenhamos conselho do que fazer para este escravo.

50

E um deles respondeu e disse: Certamente ele nos disse para leva-lo de volta para seu pai, agora portanto, vem, vamos levá-lo de volta e iremos para o lugar que ele vai nos dizer, e tomar de sua família o preço que nós demos para ele e para nós, então, irmos embora.

51

E um deles respondeu de novo e disse: Eis que este conselho é muito bom, mas não podemos fazê-lo pois o caminho é muito longe de nós, e não podemos sair de nossa estrada.

52

E mais um respondeu, e disse-lhes: Isto é o conselho a ser adotado, não teremos de nos desviar dela; eis que neste dia vamos para o Egito, e quando tivermos entrado no Egito, vamos vendê-lo lá a um preço elevado, e seremos livres de sua maldade.

53

E isso agradou aos homens e eles o fizeram, e eles continuaram a viagem para o Egito com José.