O livro de Jasar - Capitulo 43

A angústia de Rubén por não encontrar José no poço

1

E quando os filhos de Jacó venderam seu irmão José aos midianitas, seus corações ficaram doloridos por causa dele, e se arrependeram de seus atos, e eles procuraram por ele para traze-lo de volta, mas não conseguiram encontrá-lo.

2

Rúben voltou à cova em que José tinha sido posto, a fim de levantá-lo para fora, e restituí-lo a seu pai, e Rúben ficou ao lado da cova, e ele não ouviu uma palavra, e ele chamou José! José! E ninguém respondeu ou disse uma palavra.

3

E Rúben disse, José morreu por medo, ou alguma serpente causou sua morte; e Rúben desceu ao poço, e ele procurou por José e não podia encontrá-lo no poço, e ele saiu de novo.

4

E Rúben rasgou suas vestes e disse: O menino não está lá, e como poderei consolar meu pai se ele estiver morto? E ele foi para seus irmãos e encontrou-os em luto por conta de José, combinaram junto como informar seu pai sobre ele, e Rúben disse a seus irmãos, eu vim para o poço e eis que José não estava lá, então o que diremos a nosso pai, pois o meu pai vai requerer o rapaz de mim.

5

E seus irmãos lhe responderam, dizendo: Assim e assim fizemos, e nossos corações doeram, depois disso, por conta deste ato, e agora vamos procurar uma desculpa que vamos dar a nosso pai.

6

E Rúben disse-lhes: Que é isto que temos feito para levar os cabelos brancos de nosso pai à sepultura em tristeza? A coisa não é boa, o que vocês fizeram.

7

E Rúben sentou-se com eles, e todos se levantaram e juraram um ao outro em não contar esta coisa a Jacó, e todos eles, disseram: O homem que disser isso para o nosso pai ou a sua família, ou que vá relatar isso a qualquer um dos filhos da terra, vamos todos nos levantar contra ele e mata-lo a espada.

8

E os filhos de Jacó temiam este assunto, do mais jovem ao mais velho, e ninguém falou uma palavra, e eles esconderam a coisa em seus corações.

9

E depois sentaram-se para determinar e inventar algo a dizer a seu pai Jacó sobre todas estas coisas.

10

E Issacar disse-lhes: Eis aqui um conselho para vocês se parecer bem em seus olhos para fazer esta coisa, em tomarmos o casaco que pertence a José e rasgá-lo, e matar um bode e mergulhá-lo em seu sangue.

11

E enviá-lo para o nosso pai e quando ele o vir, iremos dizer a ele que uma besta-fera o devorou, portanto, tomemos o seu casaco e eis que o seu sangue será sobre a sua pelagem, e fazendo isto estaremos livres de murmúrios de nosso pai.

12

E o conselho de Issacar lhes satisfez, e eles lhe deram ouvidos e fizeram conforme a palavra que Issacar aconselhou-os.

13

E apresaram-se e pegaram a túnica de José e rasgaram-a, e mataram um cabrito e tingiram a túnica no sangue dele, e então a pisaram no pó, e eles mandaram o casaco para seu pai Jacó, pela mão de Naftali, e ordenou-lhe que disse-se estas palavras:

14

Nós reunimos o gado e tinha-mos chegado tão longe como o caminho para Siquém, e mais adiante, quando encontramos este casaco na estrada no deserto mergulhado em sangue e em pó; agora portanto, vê se é a túnica de teu filho, ou não.

15

E Naftali foi e ele veio a seu pai e deu-lhe o casaco, e ele falou-lhe todas as palavras que seus irmãos lhe tinham ordenado.

16

E Jacó viu a túnica de José e ele sabia disso e ele caiu com o rosto no chão, e tornou-se imóvel como uma pedra, e ele depois se levantou e gritou com voz alta e chorando disse: É a túnica de meu filho José!

17

E Jacó se apressou e mandou um de seus servos a seus filhos, que foi até eles e encontrou-os vindo ao longo da estrada com o rebanho.

18

E os filhos de Jacó vieram a seu pai sobre a noite, e eis que suas vestes estavam rasgadas e poeira era sobre as sua cabeça, e eles encontraram o seu pai gritando e chorando com grande voz.

19

E Jacó disse a seus filhos, Digam-me a verdade que mal têm vocês trazido neste dia, repentinamente sobre mim? E eles responderam a seu pai Jacó, dizendo: Nós viemos ao longo deste dia após o rebanho ter sido recolhido, e chegamos até a cidade de Siquém pela estrada no deserto, e encontramos este casaco cheio de sangue sobre o chão, e nós sabíamos a quem pertenceria e enviamos-te pois talvez tu pudesses saber.

20

E Jacó ouviu as palavras de seus filhos, e clamou com grande voz, e disse ele: é o casaco do meu filho, uma besta-fera o devorou; José está feito em pedaços, porque o enviei neste dia para ver se tudo estava bem com você e com o rebanho e para trazer-me novas de você, e ele foi como eu ordenei a ele, e isto aconteceu com ele neste dia, eu pensava que meu filho estava com vocês.

21

E os filhos de Jacó, respondendo, disseram: Ele não veio para nós, nem nós temos visto ele a partir do momento da nossa ida até agora.

22

E quando Jacó ouviu estas palavras, ele mais uma vez gritou em voz alta e se levantou e rasgou as suas vestes, e pôs saco sobre os seus lombos, e ele chorou amargamente e ele chorou e levantou a sua voz em pranto e exclamou e disse estas palavras;

23

José, meu filho, ó meu filho José, eu hoje te enviei para bem-estar de teus irmãos, e eis que tu tens sido rasgado em pedaços; através da minha mão foi que isso aconteceu com meu filho.

24

Me entristeço-me por ti meu filho José, entristeço-me por ti, foste como doce para mim durante a vida, e agora como excessivamente amarga é tua morte para mim.

25

E que eu tivesse morrido no lugar de José meu filho, pois me entristeço, infelizmente para ti ó meu filho, ómeu filho, meu filho. Meu filho José, onde estás, e onde tu tens foste parar? desperta,desperta do teu lugar, e vem ver a minha tristeza por ti, ó meu filho José.

26

Vem agora e conta as lágrimas que jorram dos meus olhos pelo meu rosto, leva-as diante do Senhor, para que sua raiva se aparte de mim.

27

Ó meu filho José, como tu caíste, pela mão de um por quem ninguém tinha caído desde o princípio do mundo até este dia, porque tu tens sido condenado à morte, pela ferida de um inimigo, afligido com crueldade, mas com certeza eu sei que isso aconteceu a ti, por conta da multidão dos meus pecados.

28

Desperta agora e vê quão amargo é o meu pesar por ti, ó meu filho, apesar de eu não te cobrir, nem te moldar, nem te ter dado fôlego e alma, mas foi Deus quem te formou e construiu os teus ossos e cobriu-os com a carne, e soprou em tuas narinas o sopro da vida, e em seguida ele deu-te a mim.

29

Agora verdadeiramente Deus quem te deu a mim, tomou-te de mim, e tal, então, te sobreveio.

30

E Jacó continuou a falar semelhante a estas palavras a respeito de José, e ele chorou amargamente, ele caiu no chão e ficou imóvel.

31

E todos os filhos de Jacó vendo o pesar de seu pai, eles se arrependeram do que tinham feito, e eles também choraram amargamente.

32

E Judá se levantou, e levantou a cabeça do pai do chão, e colocou-o no colo, e ele limpou as lágrimas de seu pai de sua face, e Judá chorava, enquanto cabeça de seu pai estava deitada no colo, imóvel como uma pedra.

33

E os filhos de Jacó viram o pesar de seu pai, e levantaram as suas vozes e continuaram a chorar, e Jacó ainda estava deitado no chão imóvel como uma pedra.

34

E todos os seus filhos e seus servos e filhos dos seu servos se levantaram e puseram-se em volta dele a conforta-lo, e ele se recusou a ser consolado.

35

E toda a família de Jacó levantou-se e lamentou com um grande pranto por conta de José e do pesar de seu pai, e a notícia chegou a Isaac, filho de Abraão, o pai de Jacó, e ele chorou amargamente por conta de José, ele e toda a sua casa, e ele partiu do local onde morava, em Hebron, e os seus homens com ele, e ele confortou Jacó, seu filho, e ele se recusou a ser consolado.

36

E, depois disso, Jacó levantou-se do chão, e suas lágrimas corriam pela sua face, e ele disse a seus filhos:Levantem-se e tirem suas espadas e seus arcos, e ide fora, para o campo, e procurem encontrar o corpo do meu filho e tragam-no para mim para que eu possa enterra-lo.

37

Procurem também, peço-vos, entre os animais e cacem-nos, e o que aparecer diante de vocês que se possa aproveitar, tragam para mim, talvez o Senhor tenha piedade neste dia de minha aflição, e se levante antes de que se rasgue o corpo de meu filho em pedaços, e tragam-no para mim, e eu vou vingar a causa do meu filho.

38

E seus filhos fizeram como seu pai lhes havia ordenado, e levantaram-se cedo de manhã, e cada um tomou a sua espada e seu arco em sua mão, e saíram para o campo para caçar os animais.

39

E Jacó ainda estava chorando em voz alta e chorando e andando para lá e para cá em casa, e ferindo as mãos, dizendo: José, meu filho, meu filho José.

40

E os filhos de Jacó foram para o deserto para apreender os animais, e eis que um lobo veio em direção a eles, e eles o prenderam, e trouxeram-o a seu pai, e eles disseram a ele, esta foi o primeiro vez que nós encontramos, e o trazemos a ti, como tu nos ordenaste, e corpo de teu filho não conseguimos encontrar.

41

E Jacó tomou a besta das mãos de seus filhos, e ele gritou em alta voz chorando, segurando o animal em sua mão, e ele falou com um coração amargo à besta; Por que devoraste meu filho José, e como temeste o Deus da terra, ou da minha angústia para com meu filho de José?

42

E tu devoraste meu filho por nada, porque ele não cometeu nenhuma violência, e te tornas-te assim, culpado por sua conta, pois Deus vai exigir-lhe recompensa.

43

E o Senhor abriu a boca do animal, a fim de consolar Jacó com suas palavras, e ele respondeu a Jacó e falou estas palavras a ele.

44

Vive Deus que nos criou na terra, e como vive a tua alma, meu senhor, eu não vi o teu filho, nem eu o rasguei em pedaços, mas de uma terra distante eu também vim para buscar meu filho que passou de mim neste dia, e eu não sei se ele está vivo ou morto.

45

E hoje cheguei ao campo para buscar o meu filho, e seus filhos me agarraram e aumentaram a minha dor, e neste dia de hoje me trouxeram diante de ti, e eu já falei todas as minhas palavras para ti.

46

E agora, pois, ó filho do homem, eu estou em tuas mãos, e faz-me neste dia como parecer bem aos teus olhos, mas com a vida de Deus, que me criou, eu não vi o teu filho, nem eu o rasguei em pedaços, nem a carne do homem entrou em minha boca todos os dias da minha vida.

47

E quando Jacó ouviu as palavras da besta, ele ficou bastante espantado, e libertando o animal de sua mão, ele foi pelo seu caminho.

48

E Jacó ainda estava chorando em voz alta por José, dia após dia, e ele chorou por seu filho muitos dias.