O livro de Jasar - Capitulo 46

José interpreta sonhos de seus companheiros de prisão

1

Naqueles dias, José estava ainda na prisão na terra do Egipto.

2

Naquela época os atendentes de faraó ficaram de pé diante dele, o chefe dos mordomos e o chefe dos padeiros que pertenciam ao rei de Mitzraim (Egipto).

3

E o mordomo tomou vinho e o colocou diante do rei para beber, e o padeiro colocou o pão diante do rei para comer, e o rei bebeu o vinho e comeu o pão, ele e seus funcionários e ministros que comeram na mesa do rei.

4

E enquanto eles estavam comendo e bebendo lá, o mordomo e o padeiro, permaneceram e os ministros do faraó encontraram muitas moscas no vinho, que tinha trazido o mordomo, e pedras de nitrato foram encontradas no pão da padaria.

5

O capitão colocou José com o atendente oficial do faraó, e os oficiais do faraó estavam presos há um ano.

6

E no final do ano, ambos sonharam sonhos em uma noite, na prisão onde eles estavam, e de manhã, José foi assisti-los como de costume, e viu-os, e eis que seus rostos estavam abatidos e tristes.

7

E José perguntou-lhes: Porque estão seus rostos tristes e desanimados neste dia? E eles disseram: Tivemos sonhos, e não há ninguém para interpretá-los; e José disse-lhes: Conte-me, eu lhes peço seu sonho para mim, e o Senhor dará a vocês uma resposta de paz como vocês desejam.

8

E o mordomo contou seu sonho à José e ele disse: Eu tive meu sonho, e eis uma grande vinha estava diante de mim, e eis que na vinha eu vi três ramos, e a vinha rapidamente cresceu e alcançou uma grande altura e seus ramos foram curados e tornaram-se uvas.

9

E eu peguei as uvas e pressionei-as em um copo, e coloquei-o nas mãos do faraó, e ele bebeu; e José disse-lhe, os três ramos da vinha são três dias.

10

Ainda no prazo de três dias, o rei vai mandar seres trazido para fora, e ele irá te restaurar ao teu ofício, e tornarás a dar ao rei seu vinho para beber como no início, quando eras mordomo; mas deixe-me encontrar favor nos teus olhos, para que te lembres de mim quando faraó estiver bem contigo, e tragas bondade sobre mim e tires-me desta prisão, pois eu fui roubado da terra de Canaan, e fui vendido como um escravo neste lugar.

11

E também o que foi dito relativo à esposa do meu mestre é falso, pois eles colocaram-me neste calabouço por nada; e o mordomo respondeu a José, dizendo: Se o rei lidar bem comigo como antes, tal como tu interpretaste a mim, vou fazer tudo o que tu desejas, e te tirarei deste calabouço.

12

E o padeiro, vendo que José com precisão havia interpretado o sonho do mordomo, também aproximou se e contou todo o seu sonho a José.

13

E ele lhe disse: No meu sonho eu vi, e eis que três cestas brancas na minha cabeça, e olhei e eis que láestavam no cesto superior, todos os tipos de carnes cozidas para faraó, e eis que as aves estavam comendo-as de fora de minha cabeça.

14

E José lhe disse: As três cestas que tu viste são três dias, e dentro de três dias faraó cortará tua cabeça, e a pendurará numa árvore, e as aves irão comer a tua carne, como viste em teu sonho.

15

Naqueles dias a Rainha estava prestes a dar à luz, e após esse dia ela gerou um filho ao rei de Mitzraim, e proclamaram que o rei tinha recebido seu primeiro filho, e todo o povo do Egito juntamente com os funcionários e agentes do faraó alegraram-se grandemente.

16

E após o terceiro dia de seu nascimento faraó fez uma festa para seus funcionários e agentes, os anfitriões da terra de Zoar e da terra de Mitzraim.

17

E todo o povo de Mitzraim, e os servos de faraó vieram para comer e beber com o Rei na festa de seu filho, e para se alegrar com a alegria do rei.

18

E todos os oficiais do rei e seus servos foram alegrar-se nesse momento durante oito dias de festa, e festejaram com todos instrumentos musicais, com tamborins e com danças na casa do rei por oito dias.

19

E o mordomo, a quem José tinha interpretado seu sonho, esqueceu-se de José, e ele não falou ao rei como ele havia prometido, pois isto veio do Senhor para punir José pois ele havia confiado no homem.

20

E José permaneceu após isso na prisão dois anos, até que completou doze anos.