O livro de Jasar - Capitulo 63

Guerras e contendas das nações da África I

1

E no ano de noventa e três morreu Levi, filho de Jacó no Egipto, e Levi tinha cento e trinta e sete anos quando ele morreu, e eles colocaram-no em um caixão, e ele foi dado nas mãos de seus filhos.

2

E aconteceu depois da morte de Levi, quando o Egipto viu que os filhos de Jacó, os irmãos de José estavam mortos, os egípcios começaram a afligir os filhos de Jacó e para amargar suas vidas desde esse dia até o dia de sua saída do Egipto, e eles tomaram de suas mãos todas as vinhas e campos que José tinha dado a eles, e todos as elegantes casas em que viveu o povo de Israel, e toda a gordura do Egipto, os egípcios tomaram tudo dos filhos de Jacó naqueles dias.

3

E a mão de todo o Egipto tornou-se mais pesada naqueles dias contra os filhos de Israel e os egípcios injuriaram os Israelitas até que os filhos de Israel estivessem aborrecidos em suas vidas por causa dos egípcios.

4

E aconteceu naqueles dias, no ano cento e dois de Israel ter ido ao Egipto, morreu rei faraó do Egipto, e Melol seu filho reinou em seu lugar, e todos os valentes do Egipto e toda aquela geração sabia que José e seus irmãos morreram naqueles dias.

5

E outra geração levantou-se em seu lugar, que não tinham conhecido os filhos de Jacó e todo o bem que eles tinham feito a eles, e todo o seu poder no Egipto.

6

Portanto toda o Egipto começou a partir desse dia para frente, a amargar a vida dos filhos Jacó, e a afligi-los com todos os tipos de trabalho forçado, porque eles não tinham conhecido seus antepassados que os tinham livrado nos dias da fome.

7

E isso veio também de Deus, para os filhos de Israel, para beneficiá-los em seus últimos dias, para que todos os filhos de Israel pudessem conhecer o Senhor Deus.

8

E para conhecer os sinais e poderosas maravilhas que o Deus faria no Egipto por causa de seu povo Israel, a fim de que os filhos de Israel pudessem temer o Deus de seus antepassados, e andar em seus caminhos, eles e sua semente após eles todos os dias.

9

Melol tinha vinte anos quando começou a reinar, e reinou noventa e quatro anos, e toda Egipto chamou seu nome faraó após o nome de seu pai, como era seu costume fazer para cada rei que reinou sobre eles no Egito.

10

Nesse momento as tropas do rei Angeas da África foram terra a Chittim como de costume para saquear.

11

E Zepho, o filho de Ulifaz, o filho de Esaú, ouviu seu relatório, e saiu para encontrá-los com seu exército e combateu-os na estrada.

12

E Zepho derrotou as tropas do rei da África ao fio da espada, e não deixou remanescentes deles, e nem mesmo um retornou ao seu mestre na África.

13

E Angeas ouviu o que Zepho, o filho de Ulifaz, tinha feito a todas as suas tropas, que ele as tinha destruído, e Angeas reuniu suas tropas, todos os homens da terra da África, um povo numeroso como a areia do mar.

14

E Angeas foi a Lucus seu irmão, dizendo: Vem a mim com todos os teus homens, e ajuda-me a derrotar Zepho e todos os filhos de Chittim que destruíram meus homens; E Lucus veio com todo o seu exército, uma força muito grande, para ajudar Angeas seu irmão, à lutar com Zepho e os filhos de Chittim.

15

E Zepho e os filhos de Chittim souberam disto, e tiveram muito medo, e grande terror em corações.

16

E Zepho também enviou uma carta para a terra de Edom, para Hadad, filho de Bedad, rei de Edom e para todos os filhos de Esaú, dizendo:

17

Ouvi dizer que Angeas rei da África, está vindo até nós com seu irmão para a batalha contra nós, e nós estamos com muito medo dele, pois seu exército é muito grande, principalmente porque ele vem contra nós com seu irmão e seu exército da mesma forma.

18

Agora vem, portanto, e ajudem-me, e nós lutaremos em conjunto contra Angeas e seu irmão Lucus, e vocês assim nos salvarão de suas mãos, mas se não, saibam que todos nós morreremos.

19

E os filhos de Esaú enviaram uma carta para os filhos de Chittim e ao seu rei, Zepho, dizendo: Nós não podemos lutar contra Angeas e seu povo, pois um pacto de paz existe entre nós, esses muitos anos, desde os dias de Bela, o primeiro rei, e desde os dias de José filho de Jacó, rei de Mitzraim (Egipto), com quem nós lutamos no outro lado da Yordânia, quando enterraram seu pai.

20

E quando Zepho ouviu as palavras de seus irmãos, os filhos de Esaú ele absteve-se deles, e Zepho ficou com muito medo de Angeas.

21

Angeas e seu irmão Lucus, reuniram as forças, cerca de oitocentos mil homens, contra os filhos de Chittim.

22

E todos os filhos de Chittim disseram a Zepho: Peça por nós ao Senhor de teus antepassados, porventura ele poderá nos libertar da mão de Angeas e seu exército, pois ouvimos que ele é um grande Senhor, e que ele livra todos os que confiam nele.

23

E Zepho ouviu suas palavras, e Zepho procurou a Deus e ele disse:

24

Deus de Abraão e Isaac, meus antepassados, neste dia eu sei que tu és um Senhor verdadeiro, e todos os ídolos das nações são vãos e inúteis.

25

Lembra-te agora neste dia de mim, de tua aliança com Abraão, nosso pai, que nossos ancestrais contaram a nós, e seja favorável a mim neste dia por causa de Abraão e Isaac nossos pais, e salva-me e aos filhos de Chittim das mãos do rei da África que vem contra nós à batalha.

26

E Deus ouviu a voz de Zepho, e teve em conta por ele devido a Abraão e Isaac, e Deus livrou Zepho e os filhos de Chittim das mãos de Angeas e seu povo.

27

E Zepho lutou Angeas rei da África e todo o seu povo nesse dia, e Deus entregou todo o povo de Angeas nas mãos dos filhos de Chittim.

28

E a batalha foi pesada a Angeas, e Zepho derrotou todos os homens de Angeas e seu irmão Lucus ao fio da espada, e cairam lá deles até à noite naquele dia, cerca de quatrocentos mil homens.

29

E quando Angeas viu que todos os seus homens morreram, ele enviou uma carta a todos os habitantes da África para virem a ele, para auxiliá-lo na batalha, e ele escreveu na carta, dizendo: Todos aqueles que forem encontrados na Africa venham a mim de dez anos e para cima; Deixe todos eles vir até mim, e eis que se alguém não vir, ele morrerá, e tudo o que ele tem, com toda a sua casa, o rei irá tomar.

30

E todo o resto dos habitantes da África ficaram aterrorizados com as palavras de Angeas, e lá saíram da cidade aproximadamente trezentos mil homens e meninos, de dez anos para cima, e eles vieram para Angeas.

31

E no final de dez dias, Angeas renovou a batalha contra Zepho e os filhos de Chittim, e a batalha foi muito grande e forte entre eles.

32

E do exército de Angeas e Lucus, Zepho enviou muitos dos feridos as suas mãos, cerca de mil homens, e Sosiphtar, o capitão do exército de Angeas, caiu naquela batalha.

33

E quando Sosiphtar havia caído, as tropas africanas viraram as costas para fugir, e fugiram, e Angeas e Lucus seu irmão foram com eles.

34

E Zepho e os filhos de Chittim, perseguiram-nos, e eles os feriram ainda fortemente pela estrada, cerca de duzentos homens e entre eles estava, Azdrubal o filho de Angeas, que tinha fugido com seu pai, e eles feriram vinte de seus homens na estrada, e escapou Azdrubal dos filhos de Chittim, e eles não o mataram.

35

E Angeas e Lucus seu irmão, fugiram com o resto de seus homens, e eles escaparam e entraram na África com terror e consternação, e Angeas temia todos os dias que Zepho, o filho de Ulifaz, fosse guerrear com ele.