O livro de Jasar - Capitulo 72

Moisés foge para Cush e reina

1

E foi naqueles dias que havia uma grande guerra entre os filhos de Cush e os filhos do Oriente e Aram, e eles se rebelaram contra o rei de Cush em cujas mãos eles estavam.

2

Então rei Kikianus de Cush, saiu com todos os filhos de Cush, um povo numeroso como a areia, e eles foram para lutar contra Aram e os filhos do Oriente, para sujeitá-los.

3

E quando Kikianus saiu, ele deixou Balaão mágico, com seus dois filhos, para proteger a cidade e a classe mais baixa do povo da terra.

4

Então Kikianus saíu para Aram e os filhos do Oriente, e ele lutou contra eles e os feriu, e todos eles caíram feridos diante de Kikianus e seu povo.

5

E ele levou muitos deles cativos e ele trouxe-os sob sujeição como antes, e ele acampou em suas terras para tomar tributo deles como de costume.

6

E Balaão, o filho de Beor, quando o rei de Cush deixou-o para proteger a cidade e os pobres da cidade, ele foi e aconselhou o povo da terra a se rebelar contra o rei Kikianus, para não deixá-lo entrar na cidade quando ele retornasse para casa.

7

E o povo o ouviu, e eles juraram e o fizeram rei sobre eles, e seus dois filhos comandantes do exército.

8

Assim eles foram, e levantaram as muralhas da cidade nos dois cantos, e fizeram uma forte construção.

9

E no terceiro canto eles cavaram valas sem número, entre a cidade e o rio que cercava a terra inteira de Cush, e fizeram as águas do rio passarem por lá.

10

No quarto canto, eles coletaram numerosas serpentes por seus encantamentos e bruxaria, e eles fortificaram a cidade, e habitaram nela, e ninguém foi para fora ou entrou diante deles.

11

E Kikianus lutou contra Aram e os filhos do Oriente, e ele subjugou-os como antes, e deram-lhe o seu tributo habitual, e ele foi e voltou para sua terra.

12

E quando Kikianus, o rei de Cush, se aproximou de sua cidade e todos os comandantes das forças com ele, levantou os olhos e viu que as muralhas da cidade foram construídas muito elevadas, então os homens ficaram espantados com isso.

13

E eles disseram um para o outro, é porque eles viram que nós nos atrasamos na batalha, e tiveram muito medo por nós, por isso levantaram as muralhas da cidade e fortificaram-na para que os reis de Canaã não pudessem vir em batalha contra eles.

14

Assim o rei e as tropas se aproximaram da porta da cidade, e olharam para cima, e eis que todos os portões da cidade foram fechados, e chamaram as sentinelas, dizendo: Abram, para que nós possamos entrar na cidade.

15

Mas as sentinelas recusaram-se a abrir-lhes por ordem de Balaão, o mágico, seu rei, eles não os deixaram entrar na sua cidade.

16

Então fizeram uma batalha com eles em frente do portão da cidade, e cento e trinta homens do exército em Kikianus caíram naquele dia.

17

E no dia seguinte, eles continuaram a lutar, e eles lutaram ao lado do rio, eles se esforçaram para passar, mas não foram capazes, assim que alguns deles se afundaram nos poços e morreram.

18

Assim o rei ordenou que fossem cortar as árvores para fazer jangadas, e eles o fizeram.

19

E quando eles vieram para o lugar das valas, as águas giravam em moinhos, e duzentos homens sobre dez jangadas foram afogados.

20

E no terceiro dia, eles vieram para lutar ao lado onde estavam as serpentes, mas eles não podiam aproximar-se lá, pois as serpentes do pântano mataram deles cento e setenta homens, e eles cessaram de lutar contra Cush, e eles cercaram Cush durante nove anos, nenhuma pessoa entrou ou saiu.

21

Naquele tempo que a guerra e o cerco aconteciam contra Cush, Moises fugiu do Egipto e de faraó que tentou matá-lo por ter assassinado o egípcio.

22

E Moisés tinha dezoito anos de idade quando ele fugiu do Egipto da presença de Faraó, e ele fugiu e foi para o acampamento de Kikianus, que na época estava sitiando Cush.

23

E Moisés esteve nove anos no acampamento de Kikianus, rei de Cush, todo o tempo que eles sitiavam Cush, Moisés saiu e entrou com eles.

24

E o rei e príncipes e todos os homens de luta, amaram Moisés, pois ele era grande e digno, sua estatura era como um leão nobre, seu rosto era como o sol e sua força era como que de um leão, e ele foi conselheiro do rei.

25

E no final de nove anos, Kikianus foi tomado com uma doença mortal, e sua doença prevaleceu sobre ele, e ele morreu no sétimo dia.

26

Assim seus servos embalsamaram-no, e o levaram e enterraram-no em frente do portão da cidade para o norte da terra do Egipto.

27

E construíram sobre ele um elegante edifício alto e forte, e colocaram grandes pedras abaixo.

28

E escribas do rei gravaram toda a toda a força de seu rei Kikianus, e todas as suas batalhas que ele tinha lutado, eis que elas estão escritos lá até este dia.

29

Após a morte do rei Kikianus de Cush entristeceram seus homens e tropas grandemente por causa da guerra.

30

Assim eles diziam um para o outro: Dá-nos conselho do que fazer neste momento, estando morando no deserto nove anos longe de nossas casas.

31

Se dizemos: Vamos lutar contra a cidade, muitos de nós vão cair feridos ou mortos, e se nós ficarmos aqui no cerco, nós também morreremos.

32

Pois agora, todos os reis de Aram e dos filhos do Oriente vão ouvir que o nosso rei morreu, e eles irão atacar-nos de repente de forma hostil, e eles lutarão contra nós e não deixarão nenhum vestígio de nós.

33

Agora, façamos um rei sobre nós, e deixe-nos manter-se no cerco até a cidade ser entregue para nós.

34

E pretenderam escolher nesse dia um homem como rei no exército de Kikianus, e eles não encontrado nenhum de sua escolha como Moisés para reinar sobre eles.

35

E eles apressaram-se e retirando cada homem seus vestuários, e lançaram-nos no chão, e eles fizeram uma grande pilha e colocaram Moisés nela.

36

E levantou-se e tocaram trombetas e gritaram diante dele e disseram: Que viva o rei! Que viva o rei!

37

E todas as pessoas e nobres juraram-lhe dar-lhe de uma esposa como rainha, Adoniah, cushita, esposa de Kikianus, e eles fizeram Moisés rei sobre eles naquele dia.

38

E todas as pessoas de Cush emitiram uma proclamação naquele dia, dizendo: Todo homem deve dar algo a Moisés do que está na sua posse.

39

E colocaram um lençol nos ombros, e cada homem lançou nele algo do que ele tivesse, um brinco de ouro e o outro uma moeda.

40

Também de pedras de Ônix, obdellium, pérolas e mármore, jogaram os filhos de Cush para Moisés sobre o lençol, também prata e ouro em grande abundância.

41

E Moisés levou a prata e ouro, todos os navios, e as pedras obdellium e ônix, que todos os filhos de Cush tinham dado a ele, e ele colocou-os entre seus tesouros.

42

E Moisés reinou sobre os filhos de Cush naquele dia, no lugar do rei Kikianus de Cush.