O livro de Jasar - Capitulo 8

Os sábios de Ninrode e o nascimento de Abraão

1

E foi na noite que Abrão nasceu, que todos os servos de Tera, e todos os homens sábios de Nimrod, e seus mágicos vieram e comeram e beberam na casa de Tera, e eles regozijaram-se com ele naquela noite.

2

E todos os homens sábios e mágicos saíram da casa de Tera, levantaram seus olhos para o céu à noite para olhar as estrelas, e viram uma grande estrela que veio do leste e correu nos céus, e ela engoliu as quatro estrelas dos quatro lados do céu.

3

E todos os sábios do rei e seus mágicos foram surpreendidos com a visão, e os sábios entendiam este assunto, e eles sabiam que sua importância.

4

E disseram uns aos outros, isso só significa que o filho que nasceu a Tera nesta noite, que vai crescer e ser frutífero, e multiplicar, e possuir toda a terra, ele e seus filhos para sempre, e ele e sua semente matarão grandes reis, e herdar suas terras.

5

E os sábios e mágicos foram para casa naquela noite, e de manhã todos estes sábios homens e mágicos se levantaram de madrugada, e se reuniram em uma casa marcada.

6

E eles falaram e disseram uns aos outros: Eis a visão que vimos na noite passada é desconhecida do rei, que não foi dada a conhecer a ele.

7

E se essa coisa chegar ao rei, nos últimos dias, ele nos dirá: Por que vocês esconderam esse assunto de mim, e depois vamos todos sofrer a morte e, portanto, agora vamos dizer ao rei a visão que vimos, e sua interpretação, e mantenha-nos puros.

8

E assim fizeram, e eles foram ao rei e prostraram-se diante dele, e disseram: Que o rei viva, o rei pode viver.

9

Nós ouvimos que um filho nasceu de Tera, filho de Naor, o príncipe do teu anfitrião, e nós ontem à noite fomos à sua casa, e que comemos e bebemos e nos alegramos com ele naquela noite.

10

E quando os teus servos saíram da casa de Tera, para ir passar a noite em nossas respectivas casas, levantamos os olhos ao céu, e vimos uma estrela grande que vem do leste, e a mesma estrela correu com grande velocidade, e engoliu quatro grandes estrelas, dos quatro lados do céu.

11

E os teus servos ficaram surpresos ao verem que aconteceu, e ficamos muito apavorados, e fizemos o nosso juízo sobre a visão, e sabemos por nossa sabedoria a interpretação adequada e que essa coisa se aplica à criança que nasceu a Tera, que vai crescer e multiplicar-se muito, e tornar-se poderoso, e matar todos os reis da terra, e herdará todas as suas terras, ele e a sua descendência para sempre.

12

E agora nosso senhor e rei, eis que temos dado a conhecer-te o que temos visto sobre esta criança.

13

Se lhe parecer bem ao rei, a dar o seu valor ao pai por esta criança, vamos matá-lo antes que ele cresça e aumente na terra, contra nós, de forma que nós e nossos filhos venhamos a perecer por sua maldade.

14

O rei ouviu as palavras deles e pareceu bem aos seus olhos, e mandou chamar a Tera e ele veio diante do rei.

15

E disse o rei a Tera, foi-me dito que um filho ontem à noite te nasceu, e desta maneira foi observado nos céus com o seu nascimento.

16

E agora, portanto, da me a criança, para que possa matá-lo antes que esse mal se espalhe contra nós, e eu te darei por seu valor, tua casa cheia de prata e ouro.

17

Tera respondeu o rei: Meu Senhor e rei, eu ouvi as tuas palavras, e teu servo fará tudo o que desejar o rei.

18

Mas o meu senhor e rei, eu te direi o que me aconteceu ontem à noite, para que eu possa ver qual o conselho que o rei dará ao seu servo, e então eu irei responder ao rei o que ele acabou de me falar, e o rei disse: Fala.

19

Tera disse ao rei, Ayon, filho de Mored, veio ontem à noite, dizendo:

20

Dá-me o cavalo grande e belo que o rei te deu, e eu te darei prata e ouro, palha e forragem pelo seu valor, e eu disse a ele, Espere até eu ver o que o rei fala acerca dessas tuas palavras, e eis o que disse, eu o farei.

21

E agora, meu senhor e rei, eis que faço este negócio conhecido a ti, e os conselhos que o meu rei der a seu servo, eu seguirei.

22

E o rei ouviu as palavras de Tera, e sua ira se acendeu e ele o considerou igual a um tolo.

23

E o rei respondeu Tera, e disse-lhe: Tu és tão bobo, ignorante, ou deficiente em compreensão, para fazer isso, dar a teu belo cavalo para ouro e prata ou até mesmo para palha e pasto?

24

És tu tão curto de prata e de ouro, para que faças tal coisa, tens porventura tu, falta de palha e forragem para alimentar o teu cavalo? E o que é prata e ouro para ti, ou palha e forragem, para que tu dês o belo cavalo que te dei, com não há ninguém que tenha outro igual em toda a terra?

25

E o rei parou de falar, e Tera, respondeu ao rei, dizendo que, como tem a rei perguntado a seu servo;

26

Rogo-te, meu senhor e rei, que expliques acerca desse assunto que falaste: Dá teu filho, para que possamos matá-lo, e te darei ouro e prata para o seu valor, o que devo fazer com prata e ouro, após a morte do meu filho? Que herdará de mim? E certamente após a minha morte, a prata e o ouro vai voltar para o meu rei, que a deu.

27

E quando o rei ouviu as palavras de Tera, e da parábola que ele trouxe acerca do rei, pesou-lhe muito e ele estava irritado com isso, e sua raiva ardia dentro dele.

28

Tera viu que a ira do rei se acendeu contra ele, e ele respondeu ao rei, dizendo: Tudo o que eu tenho está em poder do rei, e faça o rei o que bem deseja fazer com o seu servo, sim, meu filho, ele está nas mãos do rei, sem valor de troca, ele e seus dois irmãos que são mais velhos do que ele.

29

E disse o rei a Tera, Não, mas vou comprar o teu filho mais novo por um preço.

30

Tera, respondeu ao rei, dizendo: Rogo-te, meu senhor e rei ainda deixes a teu servo falar uma palavra diante de ti, e possa o rei ouvir a palavra de seu servo, e Tera disse: Dê o meu rei três dias a seu servo para pensar sobre este assunto dentro de mim, e consultar com minha família sobre as palavras de meu rei, e ele pressionou o rei se a concordar com isso.

31

E o rei ouviu a Tera, e ele fez isso e ele deu-lhe um prazo de três dias, e Tera saiu da presença do rei, e ele voltou para casa para sua família e falou-lhes todas as palavras do rei, e todos eles se encheram de temor.

32

E no terceiro dia que o rei mandou a Tera, dizendo: Manda-me o teu filho por um preço como eu falei para ti, e caso não faças isso, eu enviarei, e matarei a ti e a todos na tua casa, de forma a que nem um cão te reste.

33

E Tera apressou-se, (como a coisa era urgente do rei), e ele tomou uma criança de um dos seus servos, que a sua serva tinha gerado naqueles dias, e trouxe Tera a criança para ao rei tendo recebido valor por ele.

34

E o Senhor estava com Tera nesta matéria, para que Nimrod não causasse a morte de Abrão, e o rei tomou a criança de Tera e a jogou de cabeça com toda a sua força para o chão, pois ele pensou que tinha sido Abrão, e este foi escondido dele a partir daquele dia, e foi esquecido pelo rei, como era da vontade do Senhor, para não sofrer a morte de Abrão.

35

E tomou Tera a Abrão seu filho secretamente, juntamente com sua mãe e enfermeira, e ele os escondeu numa caverna, e ele trouxe suas disposições mensais.

36

E o Senhor estava com Abrão na caverna e ele cresceu, e Abrão esteve na caverna 10 anos, e o rei e seus príncipes, adivinhos e sábios julgaram que o rei tinha morto a Abrão.